Arquivo da tag: YA Lit

[Literatura] Os Instrumentos Mortais

Eu conheci o trabalho da Cassandra Claire no início do ano passado, pouco antes de começar o meu TCC sobre Fanfics ao lado das amigas e parceiras @Fer_Serpa, @prado_carol, @sah_fontoura e @leletistella.

Cassie Claire é autora da série Instrumentos Mortais, que já ganhou o mundo e agora se prepara para virar franquia cinematográfica. Mas antes, ela era conhecida como a autora da famosa trilogia Draco Dormiens. Nunca ouviu falar? Trata-se de uma fanfic. E o que são fanfics? Como o próprio nome diz, são ficções criadas por fãs a partir de uma determinada obra. Você se apropria de personagens ou situações e as recria, escreve sob seu ponto de vista ou preenche lacunas que ficaram nas histórias originais. Mais ou menos quando você se decepciona com um livro, filme ou seriado e pensa “ah, seria bem melhor se o final tivesse sido dessa maneira…”. Tem gente que, ao invés de apenas imaginar como seria o desfecho perfeito, vai pra frente do computador, escreve e publica em algum site de fics na internet.

Draco Dormiens é uma das mais, se não a mais, popular do gênero, que permitiu que Cassandra se tornasse famosa na internet (positiva e negativamente). A autora cruzou de maneira bem-sucedida as fronteiras entre o virtual e o impresso e realizou o sonho que 99% das ficwriters (escritoras de fanfics) possuem: lançou um material de sua autoria em formato de livro. Conseguiu publicar um original… Nem tão original assim, sejamos francos.

A leitura da série Instrumentos Mortais – sendo o primeiro volume Cidade dos Ossos, sucedido por Cidade das Cinzas, Cidade de Vidro e Cidade dos Anjos Caídos, esse último ainda não lançado no Brasil – é difícil. Não que a linguagem seja hermética demais. Pra falar a verdade, Cassandra é bem direta e objetiva em termos de linguagem, dona de um texto ágil e que sabe muito bem criar momentos de tensão (o que é essencial em se tratando do gênero pelo qual ela se aventura). Em suma, Cassandra não perde tempo com lenga-lenga desnecessário.

A leitura é difícil unicamente porque, para quem leu Harry Potter, é impossível dissociar uma coisa da outra. Os primeiros dez capítulos de Cidade dos Ossos foram, para mim, um sufoco. Eu não conseguia me desvincular de HP enquanto lia. Volta e meia, me pegava fazendo associações entre uma obra e outra.

Verdade seja dita: Clary e Jace, os protagonistas, são claramente inspirados em Ginny Weasley e Draco Malfoy. O bacana Luke, o licantrope, é baseado em Lupin. O grande vilão da história, Valentin, lembra muito Voldemort. Magnus Bane tem algo de Gilderoy Lockhart. Fora as comparações entre Ciclo e Comensais da Morte, varinhas e estelas…

Vou parar por aqui.

Claro que Cassandra tem lá seus méritos. Além de alguns já expostos, ela sabe equilibrar bem aventura e romance. Claire acerta exatamente no ponto em que J.K. Rowling falha, o aspecto “romântico” da história. O relacionamento entre Clary e Jace é bem desenvolvido, inicia-se de maneira tímida e evolui de forma satisfatória, embora a autora nos pregue uma peça com uma revelação chocante no final do primeiro volume que mais tarde é esclarecida para alívio dos leitores. A mitologia presente nos livros de Claire é até bem trabalhada, envolvendo anjos, demônios, além de um subtexto e referências religiosos (embora essa idéia já tenha sido explorada à exaustão em outras obras de conteúdo similar).

O problema consiste mesmo na construção de personagens, aspecto no qual Claire falha drasticamente. Jace até acaba por se revelar um personagem carismático lá pelas tantas, bem como seus amigos Alec e Isabelle. Mas é fato que Jace nada mais é do que o Draco Malfoy idealizado por grande parte dos fãs de HP que sentiram que o personagem foi um tanto negligenciado na obra de J.K. Rowling. Às vezes, durante a leitura de Instrumentos Mortais, se tem a impressão um tanto embaraçosa de se estar lendo uma fanfic de Harry Potter.

Outra falha está na forma como ela vai despejando lendas e mitos pelas páginas sem o menor comedimento. É uma salada de lobisomens, vampiros, fadas e outras criaturas do submundo, além de diversas nomenclaturas, classificações e um sem-número de referências que, por vezes, deixam o leitor zonzo e perdido, necessitando de um glossário. Muito embora, isso funcione mais como background e não chegue realmente a atrapalhar a trama principal.

Se não fosse por esses meros detalhes, estaríamos diante de uma obra bem interessante e atraente, uma digna releitura de seres mitológicos já velhos conhecidos do grande público. Contudo, Instrumentos Mortais revela-se como nada mais do que uma leitura divertida para um fim de semana ocioso.

Fonte das imagens: http://livrosfantasticos.com / 

http://instrumentosmortaisoficial.blogspot.com/

Andrizy Bento

[Literatura] Jogos Vorazes

Após o fim da América do Norte, uma nova nação chamada Panem surge. Formada por doze distritos, é comandada com mão de ferro pela Capital. Uma das formas com que demonstram seu poder sobre o resto do carente país é com Jogos Vorazes, uma competição anual transmitida ao vivo pela televisão, em que um garoto e uma garota de doze a dezoito anos de cada distrito são selecionados e obrigados a lutar até a morte.

Matar ou morrer. Não há escolha. Na arena, o mais capaz vence. Que os Jogos Vorazes comecem!

Jogos Vorazes (Suzanne Collins, Ed. Rocco, 2008)

jogos-vorazes

Para um livro que se encaixa na categoria YA Lit (Young Adult Literature), Jogos Vorazes de Suzanne Collins é até transgressor. A trama é densa, pontuada por passagens violentas e impactantes, contém alto teor dramático, e chega até a sugerir uma crítica social.

A premissa em si não é, assim, inovadora. Em um primeiro momento, Jogos Vorazes nos remete imediatamente a Battle Royalle, contudo, a proposta de ambas as obras bem como a linha narrativa e o público que almejam atingir são distintos.

O texto de Collins é cru e ágil, o que é indispensável dentro do que ela se propõe, sem firulas ou embromação. A premissa é bem trabalhada e apesar de algumas passagens que quase chegam a extrapolar o limite do aceitável, tudo funciona bem e parece plausível dentro do universo apresentado pela obra, desde que você se deixe levar pelo conto.

A autora adota estilo e ritmo apropriados e precisos que corroboram a atmosfera proposta, imperativos para que a história flua de modo a prender a atenção do leitor e se torne convincente aos olhos deste. Dessa forma, há compatibilidade entre todos os elementos narrativos, o que faz de Jogos Vorazes um livro bem estruturado, com uma leitura que passa muito longe de ser cansativa.

O romance entre a heroína da história e seu parceiro de distrito não consegue escapar de alguns clichês. Fica evidente que a história de amor foi inserida mais por questões mercadológicas mesmo e, portanto, algumas passagens de sessões de beijos entre os dois parecem, muitas vezes, deslocadas na trama.

Vendido equivocadamente como o sucessor de Crepúsculo (uma estratégia para angariar os fãs já quase órfãos da outra franquia), o romance best-seller de Suzanne Collins em nada se assemelha à série-fenômeno assinada por Stephenie Meyer, exceto, talvez, pela tentativa de se construir o tão famigerado triângulo amoroso, exaustivamente presente em grande parte das obras do gênero. Inclusive, dentre os jovens que constituem a fanbase de Jogos Vorazes, muitos até já levantam bandeira pelo seu teamteam Peeta ou team Gale – a exemplo do que aconteceu com Crepúsculo.

Contudo, o relacionamento da heroína com Peeta Mellark não é exatamente o foco de Jogos Vorazes. A trama principal se concentra na luta pela sobrevivência de Katniss Everdeen, sua rebeldia contra o sistema que controla e oprime a sociedade em que vive, bem como os questionamentos, dúvidas e anseios da carismática protagonista que, apesar de toda sua força, coragem e de já ter vivido todas as agruras e sofrimentos possíveis, ainda é só uma adolescente em fase de descobertas.

Aliás, falando nela, é bom ver uma heroína que foge daquele arquétipo da donzela em apuros que já se tornou comum na maioria dos títulos dedicados ao público infanto-juvenil. Katniss é guerreira, dona de uma personalidade forte e marcante, que não se deixa sucumbir facilmente, seja diante dos obstáculos em seu tortuoso caminho, ou dos sentimentos confusos e contraditórios que nutre pelo seu parceiro e rival na arena.

Suzanne Collins mantém um alto nível de tensão durante praticamente toda a segunda metade do livro e constrói um universo palatável com personagens que sustentam bem a sua história. Não se aprofunda, mas pincela de maneira inteligente questões como a desigualdade social, a hierarquia opressora da sociedade e até a alienação das massas, chegando bem próxima de uma crítica afiada e irônica às audiências de reality shows, ao público espectador manipulado pela televisão com seus modismos, fenômenos mediáticos e altas doses de demagogia. Isso sem nunca ir a fundo nessas discussões, colocando-as como plano de fundo, sabendo que seu livro trata-se de uma história fictícia ambientada em um futuro distópico e apocalíptico. Uma fantasia sombria, sim. Mas ainda assim uma fantasia.

Jogos Vorazes está longe de ser uma obra-prima e nem é essa a intenção. Mas é um excelente passatempo e um dos melhores títulos YA Lit que foram lançados nos últimos tempos. A obra mostra que nem tudo o que é destinado ao público jovem é descartável, infantilizado ou desprovido de imaginação e inventividade. Muitos apontam o livro como sendo bobo, forçado, superficial. Discordo, Jogos Vorazes é mais do que se pode esperar de um entretenimento que surgiu em meio a tantos livros que vem apresentando exatamente as mesmas fórmulas como Fallen e outros genéricos.

Ao leitor desavisado, prepare-se: Jogos Vorazes é dinâmico, divertido e bastante sangrento.

Em tempo: O teaser da adaptação para os cinemas de Jogos Vorazes foi exibido no último domingo, na premiação musical da MTV, o Video Music Awards. É muito cedo para se tecer qualquer comentário mais aprofundado, mas a primeira impressão é que a estética Crepúsculo fez escola. Movimentos de câmera, edição, cortes, fotografia, trilha sonora e até o voice-over soam como herança do estilo Crepuscular… Antes que achem que estou exagerando, aí vai o teaser que não me deixa mentir:

Vamos esperar que seja apenas uma falsa primeira impressão…

Fonte da imagem: http://www.sobrelivros.com.br

Andrizy Bento