Arquivo da tag: Trailer

[Literatura] Jogos Vorazes

Após o fim da América do Norte, uma nova nação chamada Panem surge. Formada por doze distritos, é comandada com mão de ferro pela Capital. Uma das formas com que demonstram seu poder sobre o resto do carente país é com Jogos Vorazes, uma competição anual transmitida ao vivo pela televisão, em que um garoto e uma garota de doze a dezoito anos de cada distrito são selecionados e obrigados a lutar até a morte.

Matar ou morrer. Não há escolha. Na arena, o mais capaz vence. Que os Jogos Vorazes comecem!

Jogos Vorazes (Suzanne Collins, Ed. Rocco, 2008)

jogos-vorazes

Para um livro que se encaixa na categoria YA Lit (Young Adult Literature), Jogos Vorazes de Suzanne Collins é até transgressor. A trama é densa, pontuada por passagens violentas e impactantes, contém alto teor dramático, e chega até a sugerir uma crítica social.

A premissa em si não é, assim, inovadora. Em um primeiro momento, Jogos Vorazes nos remete imediatamente a Battle Royalle, contudo, a proposta de ambas as obras bem como a linha narrativa e o público que almejam atingir são distintos.

O texto de Collins é cru e ágil, o que é indispensável dentro do que ela se propõe, sem firulas ou embromação. A premissa é bem trabalhada e apesar de algumas passagens que quase chegam a extrapolar o limite do aceitável, tudo funciona bem e parece plausível dentro do universo apresentado pela obra, desde que você se deixe levar pelo conto.

A autora adota estilo e ritmo apropriados e precisos que corroboram a atmosfera proposta, imperativos para que a história flua de modo a prender a atenção do leitor e se torne convincente aos olhos deste. Dessa forma, há compatibilidade entre todos os elementos narrativos, o que faz de Jogos Vorazes um livro bem estruturado, com uma leitura que passa muito longe de ser cansativa.

O romance entre a heroína da história e seu parceiro de distrito não consegue escapar de alguns clichês. Fica evidente que a história de amor foi inserida mais por questões mercadológicas mesmo e, portanto, algumas passagens de sessões de beijos entre os dois parecem, muitas vezes, deslocadas na trama.

Vendido equivocadamente como o sucessor de Crepúsculo (uma estratégia para angariar os fãs já quase órfãos da outra franquia), o romance best-seller de Suzanne Collins em nada se assemelha à série-fenômeno assinada por Stephenie Meyer, exceto, talvez, pela tentativa de se construir o tão famigerado triângulo amoroso, exaustivamente presente em grande parte das obras do gênero. Inclusive, dentre os jovens que constituem a fanbase de Jogos Vorazes, muitos até já levantam bandeira pelo seu teamteam Peeta ou team Gale – a exemplo do que aconteceu com Crepúsculo.

Contudo, o relacionamento da heroína com Peeta Mellark não é exatamente o foco de Jogos Vorazes. A trama principal se concentra na luta pela sobrevivência de Katniss Everdeen, sua rebeldia contra o sistema que controla e oprime a sociedade em que vive, bem como os questionamentos, dúvidas e anseios da carismática protagonista que, apesar de toda sua força, coragem e de já ter vivido todas as agruras e sofrimentos possíveis, ainda é só uma adolescente em fase de descobertas.

Aliás, falando nela, é bom ver uma heroína que foge daquele arquétipo da donzela em apuros que já se tornou comum na maioria dos títulos dedicados ao público infanto-juvenil. Katniss é guerreira, dona de uma personalidade forte e marcante, que não se deixa sucumbir facilmente, seja diante dos obstáculos em seu tortuoso caminho, ou dos sentimentos confusos e contraditórios que nutre pelo seu parceiro e rival na arena.

Suzanne Collins mantém um alto nível de tensão durante praticamente toda a segunda metade do livro e constrói um universo palatável com personagens que sustentam bem a sua história. Não se aprofunda, mas pincela de maneira inteligente questões como a desigualdade social, a hierarquia opressora da sociedade e até a alienação das massas, chegando bem próxima de uma crítica afiada e irônica às audiências de reality shows, ao público espectador manipulado pela televisão com seus modismos, fenômenos mediáticos e altas doses de demagogia. Isso sem nunca ir a fundo nessas discussões, colocando-as como plano de fundo, sabendo que seu livro trata-se de uma história fictícia ambientada em um futuro distópico e apocalíptico. Uma fantasia sombria, sim. Mas ainda assim uma fantasia.

Jogos Vorazes está longe de ser uma obra-prima e nem é essa a intenção. Mas é um excelente passatempo e um dos melhores títulos YA Lit que foram lançados nos últimos tempos. A obra mostra que nem tudo o que é destinado ao público jovem é descartável, infantilizado ou desprovido de imaginação e inventividade. Muitos apontam o livro como sendo bobo, forçado, superficial. Discordo, Jogos Vorazes é mais do que se pode esperar de um entretenimento que surgiu em meio a tantos livros que vem apresentando exatamente as mesmas fórmulas como Fallen e outros genéricos.

Ao leitor desavisado, prepare-se: Jogos Vorazes é dinâmico, divertido e bastante sangrento.

Em tempo: O teaser da adaptação para os cinemas de Jogos Vorazes foi exibido no último domingo, na premiação musical da MTV, o Video Music Awards. É muito cedo para se tecer qualquer comentário mais aprofundado, mas a primeira impressão é que a estética Crepúsculo fez escola. Movimentos de câmera, edição, cortes, fotografia, trilha sonora e até o voice-over soam como herança do estilo Crepuscular… Antes que achem que estou exagerando, aí vai o teaser que não me deixa mentir:

Vamos esperar que seja apenas uma falsa primeira impressão…

Fonte da imagem: http://www.sobrelivros.com.br

Andrizy Bento

[Cinema] Em Cartaz

Salve!

Aí vão duas dicas de filmes que acabaram de estrear nos cinemas de todo o país.

Admito que só estou com vontade de ver a primeira…

Planeta dos Macacos: A Origem

Depois do erro de Tim Burton com o filme de 2001, chega aos cinemas este novo remake dirigido pelo britânico Rupert Wyatt e o filme já vem fazendo barulho e sendo visto por alguns como um forte candidato a blockbuster do ano. Com o desenvolvimento da inteligência dos macacos, tem início uma guerra pela supremacia. Planeta dos Macacos é uma crítica à obsessão do homem por poder e controle. O Filme conta com as presenças de James Franco (com sua eterna cara de chorão arrependido, mas ainda assim um ator bem competente), a belíssima Freida Pinto, o ótimo Brian Cox, o Tom “Draco Malfoy” Felton e o sensacional Andy Serkis.

Amor a Toda Prova

Chamada por aí de comédia romântica para homens, o filme narra a história de um quarentão que tem uma vida completamente perfeita até que tudo desanda com a descoberta de que sua esposa o está traindo e com a inevitabilidade do divórcio. Então surge em sua vida um cara cheio de charme que vai ensiná-lo a ser cool e conquistar a mulherada. Nada de mais, não é mesmo? Pelo menos não pra mim 😛 Contudo, o elenco é bem interessante: Steve Carell, Julianne Moore, Ryan GoslingMarisa Tomei, além da promissora Emma Stone.

É isso! Boa semana e boas sessões 😉

Kevin Kelissy

[Cinema] Trailer de O Espetacular Homem-Aranha

Engrosso o coro dos que acharam que a decisão de fazer um reboot de Homem-Aranha foi precipitada. Afinal, não faz nem cinco anos que o terceiro filme da série assinada por Sam Raimi foi lançado, e tem outra, com Quarteto Fantástico e Demolidor necessitando urgentemente de reboot depois dos fiascos que protagonizaram nos cinemas (nem surpreende que ambos sejam da Fox, né?), qual a razão de recomeçar do zero com o cabeça de teia nas telonas?

Bem, depois de tantas interferências do estúdio no trabalho de Raimi, que gerou diversas desavenças criativas entre a Sony Pictures e o diretor, acabou que a notícia bombástica, mas não de todo imprevisível, que os fãs receberam foi que Raimi estava fora, e não só ele como também Tobey Maguire, o intérprete do Homem-Aranha, e Kirsten Dunst, a Mary Jane, o interesse romântico do herói.

Triste. Mas desde Homem-Aranha 3 notava-se que algo não ia bem. Que faltava sintonia entre o cineasta e o estúdio. Depois de um excelente Homem-Aranha 2, o episódio 3 da série é altamente decepcionante, atropelado, desequilibrado. Pra falar a verdade, mais surpreendente que a notícia que Raimi, Maguire e Dunst estavam fora, foi, na verdade, a notícia que veio antes, a de que teria um Homem-Aranha 4 depois daquele lamentável terceiro filme. Confesso que nem o acho assim tão ruim. Em termos de entretenimento, ele diverte. Mas é fato que os problemas desse filme saltam aos olhos de maneira escancarada. É algo semelhante ao que aconteceu com X-Men: O Confronto Final. Nota-se de longe que não apenas os produto final, no caso o filme em si, tem defeitos, mas que também houve problemas desde a concepção, nos bastidores do longa.

Mas por que dar fim a uma popular e bem sucedida franquia? Um personagem tão rentável como Homem-Aranha, seria quase um desperdício deixá-lo ausente dos cinemas, então dá-lhe reboot! Mas e aí, como substituir à altura Sam Raimi que, mesmo fazendo várias modificações (até bastante significativas) em relação ao original das HQ’s, fez um excelente trabalho com os primeiros filmes do teioso; e Tobey Maguire que deu vida a um exemplar Peter Parker/Homem-Aranha? Pois, apesar das alterações e mudanças na transposição da HQ pro cinema, Homem-Aranha 2 é um filme que tem um lugar cativo no coração de inúmeros fãs…

Para alívio geral, são boas as notícias que andam circulando a respeito do novo filme, O Espetacular Homem-Aranha. Nada de teias orgânicas dessa vez, e Gwen Stacy será retratada de maneira mais fiel ao material original (no terceiro filme de Raimi, sua origem na história e personalidade são totalmente distintas da personagem dos quadrinhos). Gwen aparece como o primeiro amor de Parker, ao invés da Mary Jane da trilogia anterior. O próprio Parker terá aparentemente sua origem contada de maneira mais fiel.

Marc Webb é o diretor responsável pelo “renascimento” do herói nas telonas, e o sortudo indivíduo por trás da máscara é Andrew Garfield, um ator bastante simpático que mostrou competência em filmes como A Rede Social e Não Me Abandone Jamais. Durante a divulgação na Comic Con deste ano, o cara até se vestiu de Homem-Aranha e falou de sua devoção pelo herói.

Pelo menos por enquanto, não há motivo pra apreensão. Marc Webb deve saber que “com grandes poderes vem grandes responsabilidades” e não tem decepcionado com o material de divulgação que mostrou até agora. O trailer está bem interessante. Resta esperar pra ver como vai ser o filme. Se não chegar a ser tão bom quanto o Homem-Aranha 2, que pelo menos seja um filme de origem competente, um retorno digno do meu super-herói favorito às telonas.

Boatos de que só com esse final do trailer, pela perspectiva do herói, Webb já conquistou muito fanboy…

O Espetacular Homem-Aranha estréia em 03 de julho do vindouro e, provavelmente, sensacional ano de 2012

Kevin Kelissy