Arquivo da tag: Revisitando

Hunky Dory (1971) – David Bowie

Data de Lançamento: 17 de dezembro de 1971
Faixas: 11 faixas
Duração: 39:04
Estilo: Glam Rock, Art Rock, Art Pop e Pop Rock
Produção: David Bowie e Ken Scott
Gravadora: RCA

Lado A:
Changes
Oh! You Pretty Things
Eight Line Poem
Life On Mars?
Kooks
Quicksand

Lado B
Fill Your Heart
Andy Warhol
Song For Bob Dylan
Queen Bitch
The Bewlay Brothers

Continuar lendo Hunky Dory (1971) – David Bowie

[Versões e Regravações] O Que Me Importa – Adriana / Cury Heluy

Original:

Em 1970, o compositor José de Ribamar Cury Heluy (ou simplesmente Cury, como é conhecido), escreveu uma música a pedido da cantora Wanderléa para poder impulsionar o compacto que ela gravaria na sequência. Tratava-se da balada O Que Me Importa. Embora a cantora tenha se encantado pela canção, o diretor da CBS deu preferência a uma música da dupla Dom & Ravel para integrar o compacto. A questão é que a tal faixa não fez tanto sucesso, a ponto de Wanderléa trocar de gravadora. Um ano depois, Cury entregou a música para a cantora Adriana que, mesmo já conhecida desde 1969, atingiu o ápice de sua carreira com esse hit que foi executado à exaustão em todas as rádios do país, resultando em um excelente índice de vendagens para o compacto de O Que Me Importa e, como se não bastasse, a canção ainda faturou o prêmio de melhor música do sistema Globo de Rádio e TV.

A música é narrada do ponto de vista de uma pessoa emocionalmente ferida que diz para aquela responsável pelo seu sofrimento que não adianta mais lamentar pelo amor dela, uma vez que era tarde para corresponder e valorizar o que ela sentia, já que sua vida tinha acabado. Essa frase final, “a vida terminou”, pode significar morte ou, até mesmo, ser uma metáfora de que a narradora resolveu mudar e recomeçar do zero, não fazendo mais questão de conquistar o amor de quem sempre a rejeitou. Continuar lendo [Versões e Regravações] O Que Me Importa – Adriana / Cury Heluy

I’m Afraid of Americans – David Bowie

Dirigido por Nick Goffey e Dominic Hawley e produzido por John Madsen da Oil Factory Films, o clipe já inicia com uma cena destacando o táxi no primeiro plano e trazendo o personagem de David Bowie ao fundo. É possível vê-lo de corpo inteiro, frente a uma banca de jornais e revistas, de costas para a câmera. A lente registra elementos urbanos tradicionais para compor esse primeiro quadro do videoclipe – veículos diversos cruzando o asfalto e pedestres atravessando a rua e a calçada, tendo como plano de fundo edifícios, árvores e placas de sinalização em uma típica área suburbana. A câmera se aproxima de Bowie pelas costas enquanto ouvimos os primeiros acordes da faixa industrial I’m Afraid of Americans, que já confere uma atmosfera de tensão ao vídeo, devido ao som pulsante e a potência dos sintetizadores aliada aos vocais quase sussurrantes de David Bowie. 

Encarregado do excelente arranjo instrumental e dos vocais de fundo, Trent Reznor (vocalista do Nine Inch Nails) também estrela o clipe, interpretando o taxista Johnny. Nessas primeiras sequências, David está lendo o jornal quando olha por cima do ombro e dá de cara com o personagem de Reznor, com uma expressão nada amigável no rosto, o encarando. David lança um breve olhar assustado para ele, então começa a andar de modo a se afastar do estranho que o observa. Começa uma jornada de perseguição pela cidade, com David cantando, caminhando e correndo pelas ruas, enquanto a música toca e ele tenta escapar do  taxista perturbado. Ao mesmo tempo, passa a testemunhar e temer o estranho comportamento dos transeuntes ao redor. O clímax no final do vídeo é, me perdoem o clichê, a cereja do topo do bolo, com direito à Parada de Dia dos Mortos.  Continuar lendo I’m Afraid of Americans – David Bowie

[Versões e Regravações] (I Can’t Get No) Satisfaction – The Rolling Stones

Original:

É a primeira vez que eu contribuo para esse espaço e resolvi começar com Rolling Stones. Até mesmo porque faz pouco mais de dois meses desde a morte de Charlie Watts, o baterista de 80 anos do segundo maior grupo de rock da história. Nesse quesito, eles perdem apenas para o The Beatles. Continuar lendo [Versões e Regravações] (I Can’t Get No) Satisfaction – The Rolling Stones

Everybody Hurts – R.E.M.

“Se você tiver vontade de desistir (aguente firme)
Se você achar que já suportou demais desta vida
Para prosseguir…
(…)
Bem, todo mundo se machuca
Às vezes, todo mundo chora
E todo mundo se machuca, às vezes
Mas todo mundo se machuca, às vezes
Aguente firme”

Everybody Hurts é uma das canções que melhor conseguiu traduzir o sentimento de melancolia inerente a todos nós em algum momento da vida. E Jake Scott é o diretor que conseguiu traduzir em imagens, de maneira inventiva e tocante, a mensagem transmitida por um dos melhores hits do R.E.M.

O clipe se passa em um cruzamento e mostra várias pessoas presas no trânsito. Engarrafamentos são estressantes, tanto para condutores de veículos quanto para passageiros. No início do dia, resulta em atrasos. No final do dia, pode levar a crises de ansiedade e agravar quadros de tensão provenientes de longos e árduos expedientes de trabalho. Te faz perder um precioso e irrecuperável tempo parado na estrada. Como o fluxo é lento e as paradas são constantes por quilômetros a fio, também é um momento em que, pode acontecer, de pensamentos indesejáveis inundarem nossas mentes.  Continuar lendo Everybody Hurts – R.E.M.

True Stories (1986) – Talking Heads

Data de Lançamento: 15 de setembro de 1986
Faixas: 9 faixas (12 na versão em CD)
Duração: 40:33
Estilo: New Wave, Art Pop e Pop Rock
Produção: Talking Heads
Gravadora: Sire

Lado A:
Love for Sale
Puzzlin’ Evidence
Hey Now
Papa Legba

Lado B:
Wild Wild Life
Radio Head
Dream Operator
People Like Us
City of Dreams

Faixas incluídas apenas em CD:
Wild Wild Life (Extended mix) (CD bonus track)
Papa Legba (Pops Staples vocal version)
Radio Head (Tito Larriva vocal version) (Re-release bonus track)

Continuar lendo True Stories (1986) – Talking Heads