Arquivo da tag: Comentário

[Literatura] Os Instrumentos Mortais

Eu conheci o trabalho da Cassandra Claire no início do ano passado, pouco antes de começar o meu TCC sobre Fanfics ao lado das amigas e parceiras @Fer_Serpa, @prado_carol, @sah_fontoura e @leletistella.

Cassie Claire é autora da série Instrumentos Mortais, que já ganhou o mundo e agora se prepara para virar franquia cinematográfica. Mas antes, ela era conhecida como a autora da famosa trilogia Draco Dormiens. Nunca ouviu falar? Trata-se de uma fanfic. E o que são fanfics? Como o próprio nome diz, são ficções criadas por fãs a partir de uma determinada obra. Você se apropria de personagens ou situações e as recria, escreve sob seu ponto de vista ou preenche lacunas que ficaram nas histórias originais. Mais ou menos quando você se decepciona com um livro, filme ou seriado e pensa “ah, seria bem melhor se o final tivesse sido dessa maneira…”. Tem gente que, ao invés de apenas imaginar como seria o desfecho perfeito, vai pra frente do computador, escreve e publica em algum site de fics na internet.

Draco Dormiens é uma das mais, se não a mais, popular do gênero, que permitiu que Cassandra se tornasse famosa na internet (positiva e negativamente). A autora cruzou de maneira bem-sucedida as fronteiras entre o virtual e o impresso e realizou o sonho que 99% das ficwriters (escritoras de fanfics) possuem: lançou um material de sua autoria em formato de livro. Conseguiu publicar um original… Nem tão original assim, sejamos francos.

A leitura da série Instrumentos Mortais – sendo o primeiro volume Cidade dos Ossos, sucedido por Cidade das Cinzas, Cidade de Vidro e Cidade dos Anjos Caídos, esse último ainda não lançado no Brasil – é difícil. Não que a linguagem seja hermética demais. Pra falar a verdade, Cassandra é bem direta e objetiva em termos de linguagem, dona de um texto ágil e que sabe muito bem criar momentos de tensão (o que é essencial em se tratando do gênero pelo qual ela se aventura). Em suma, Cassandra não perde tempo com lenga-lenga desnecessário.

A leitura é difícil unicamente porque, para quem leu Harry Potter, é impossível dissociar uma coisa da outra. Os primeiros dez capítulos de Cidade dos Ossos foram, para mim, um sufoco. Eu não conseguia me desvincular de HP enquanto lia. Volta e meia, me pegava fazendo associações entre uma obra e outra.

Verdade seja dita: Clary e Jace, os protagonistas, são claramente inspirados em Ginny Weasley e Draco Malfoy. O bacana Luke, o licantrope, é baseado em Lupin. O grande vilão da história, Valentin, lembra muito Voldemort. Magnus Bane tem algo de Gilderoy Lockhart. Fora as comparações entre Ciclo e Comensais da Morte, varinhas e estelas…

Vou parar por aqui.

Claro que Cassandra tem lá seus méritos. Além de alguns já expostos, ela sabe equilibrar bem aventura e romance. Claire acerta exatamente no ponto em que J.K. Rowling falha, o aspecto “romântico” da história. O relacionamento entre Clary e Jace é bem desenvolvido, inicia-se de maneira tímida e evolui de forma satisfatória, embora a autora nos pregue uma peça com uma revelação chocante no final do primeiro volume que mais tarde é esclarecida para alívio dos leitores. A mitologia presente nos livros de Claire é até bem trabalhada, envolvendo anjos, demônios, além de um subtexto e referências religiosos (embora essa idéia já tenha sido explorada à exaustão em outras obras de conteúdo similar).

O problema consiste mesmo na construção de personagens, aspecto no qual Claire falha drasticamente. Jace até acaba por se revelar um personagem carismático lá pelas tantas, bem como seus amigos Alec e Isabelle. Mas é fato que Jace nada mais é do que o Draco Malfoy idealizado por grande parte dos fãs de HP que sentiram que o personagem foi um tanto negligenciado na obra de J.K. Rowling. Às vezes, durante a leitura de Instrumentos Mortais, se tem a impressão um tanto embaraçosa de se estar lendo uma fanfic de Harry Potter.

Outra falha está na forma como ela vai despejando lendas e mitos pelas páginas sem o menor comedimento. É uma salada de lobisomens, vampiros, fadas e outras criaturas do submundo, além de diversas nomenclaturas, classificações e um sem-número de referências que, por vezes, deixam o leitor zonzo e perdido, necessitando de um glossário. Muito embora, isso funcione mais como background e não chegue realmente a atrapalhar a trama principal.

Se não fosse por esses meros detalhes, estaríamos diante de uma obra bem interessante e atraente, uma digna releitura de seres mitológicos já velhos conhecidos do grande público. Contudo, Instrumentos Mortais revela-se como nada mais do que uma leitura divertida para um fim de semana ocioso.

Fonte das imagens: http://livrosfantasticos.com / 

http://instrumentosmortaisoficial.blogspot.com/

Andrizy Bento

[Dicas] Top 5 Melhores Trilhas de Filmes

Boa noite!
Hoje, lhes trazemos um artigo de nossa mais nova colaborada, Juliana Lira. E ela começa muito bem falando a respeito de trilhas sonoras de filmes. Mas não pensem que ela se rendeu às obviedades e caiu no lugar-comum de indicar as trilhas mais clássicas, tradicionais, e que são citadas constantemente pela blogosfera afora. Você não vai ver Pulp Fiction, O Poderoso Chefão ou Star Wars por aqui (todas ótimas, mas sempre referenciadas quando o assunto é trilha sonora). A Ju surpreendeu e escolheu algumas trilhas deliciosas que valem a pena conferir.

____

 

Olá leitores do Bloggallerya!

Desde o dia em que eu descobri o cinema e os downloads, foi que eu consegui alimentar ainda mais o meu vício por música. Não é qualquer música, é uma música específica feita dentro de um contexto: as trilhas sonoras de filmes.

É impossível evitar. Se eu assisto a qualquer filme, eu presto muito mais atenção nas músicas tocadas do que necessariamente no longa em si. Claro, isso vai depender também da trama, que mesclada a uma boa trilha sonora faz o espectador mergulhar na história.

Foi difícil escolher só cinco trilhas, todas elas de filmes que eu já assisti até enjoar, mas o critério foi aquelas trilhas que marcaram minha vida de alguma forma.

Play Now!

5º Lugar

The Phantom Of The Opera (“O Fantasma da Ópera)

O longa de Joel Schumacher de 2004 é uma adaptação do romance de Gaston Leroux. Andrew Lloyd Webber é quem assina a trilha sonora, também o responsável pela trilha do musical da Broadway, estrelado e cantado por Sarah Brightman e Michael Crawford. No filme, as músicas são cantadas por Emmy Rossum e Gerard Butler que integram o elenco. O filme foi indicado a três estatuetas Oscar, dentre elas a de Melhor Canção Original.

Sem sombra de dúvida, foi uma trilha que embalou minha vida desde o dia que eu comprei o DVD. Óbvio que quem não curte uma boa ópera vai ficar com o pé atrás, principalmente em relação ao filme que é um drama musical. A trilha original do musical da Broadway também é ótima… Mas é com a do filme que fica o quinto lugar.

Playlist

1. Overture
2. Think of Me
3. Angel of Music
4. The Mirror (Angel of Music)
5. The Phantom of the Opera
6. The Music of the Night
7. Prima Donna
8. All I Ask of You
9. All I Ask of You (Reprise)
10. Masquerade
11. Wishing You Were Somehow Here Again
12. The Point of No Return
13. Down Once More/Track Down This Murderer
14. Learn to be Lonely

Gosto de muitas músicas da trilha, em especial “Think Of Me”, “All I Ask For You” e a famosa canção “The Phantom Of The Opera”.

4º Lugar

Sherlock Holmes

Lançado em 2009 para a loucura dos fãs sherlockianos (oi, honeys!), dirigido por Guy Ritchie, o longa é baseado na obra de Arthur Conan Doyle, com Robert Downey Jr., Jude Law e Rachel McAdams no elenco. A trilha sonora é assinada por ninguém menos que Hans Zimmer, famoso por compor trilhas de diversos longas de sucesso memoráveis.

O interessante do estilo da trilha sonora de Sherlock Holmes é a incorporação de instrumentos como o arcodeon e diversos outros pouco conhecidos, o que dá um charme a mais ao filme, além de ser muito divertida e prazerosa de ouvir. Percebe-se que Zimmer se incorporou mesmo no personagem Holmes. Escutem a trilha e tirem a prova para saberem do que eu estou falando…

E para a alegria dos sherlockianos, Hans Zimmer também compôs a trilha do segundo filme, “A Game Of Shadows” (O Jogo das Sombras) previsto para estrear apenas em Janeiro de 2012.

Playlist

01. Discombobulate
02. Is It Poison, Nanny
03. I Never Woke Up In Handcuffs Before
04. My Mind Rebels At Stagnation
05. Data, Data, Data
06. He’s Killed The Dog Again
07. Marital Sabotage
08. Not In Blood, But In Bond
09. Ah, Putrefaction
10. Panic, Shear Bloody Panic
11. Psychological Recovery … 6 Months
12. Catatonie

Destaco a primeira faixa “Discombobulate”, “I Never Woke Up In Handcuffs Before” e “Marital Sabotage”. 

3º Lugar

Harry Potter and The Prisioner Of Azkaban (Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban)

Eu não poderia deixar de fora essa obra-prima de John Williams. O filme dirigido por Alfonso Cuarón lançado em 2004, baseado na obra de J.K. Rowlling teve a trilha sonora indicada ao Oscar e ao Grammy Awards de 2005.

De toda a trilha da saga Harry Potter, essa foi a primeira que eu escutei, e sem exageros, considero a melhor.

Uma das coisas que eu prezo muito numa trilha sonora é você ser capaz de visualizar aquela cena do filme só de ouvir a música. Acontece exatamente isso comigo quando escuto a trilha de “O Prisioneiro de Azkaban”.

A trilha em si é bem mesclada em canções leves e divertidas enquanto outras são de um tom mais carregado e sombrio, o que é bem a cara do filme.

Playlist

01. Lumos´ (Hedwig´s Theme)
02. Aunt Marge´s Waltz
03. The Knight Bus
04. Apparition on the Train
05. Double Trouble
06. Buckbeak´s Flight
07. A Window to the Past
08. The Whomping Willow and the Snowball Fight
09. Secrets of the Castle
10. The Portrait Gallery
11. Hagrid the Professor
12. Monster Books and Boggarts´
13. Quidditch, Third Year
14. Lupin´s Transformation and Chasing Scabbers
15. The Patronus Light
16. The Werewolf Scene
17. Saving Buckbeak
18. Forward to Time Past
19. The Dementors Converge
20. Finale
21. Mischief Managed

Difícil escolher só algumas canções, mas destaco “Lumos (Hedwing’s Theme)”, “Double Trouble” e “A Window To The Past”, essa última, inclusive,  me faz chorar…

2º Lugar

A Walk To Remember (Um Amor para Recordar)

Essa trilha sonora é mais do que clássica para mim. Filme lançado em 2002, baseado no romance de Nicholas Sparks, dirigido por Adam Shankman, possui uma trilha sonora composta por vários artistas, entre eles Switchfoot e pelos próprios protagonistas, Mandy Moore e Shane West.

Sou suspeita para falar o quanto essa trilha sonora tem significado para mim. Muitos momentos bons da minha vida foram marcados com as músicas desse filme. Lembro que até foi uma das primeiras trilhas que eu escutei, e toda vez que eu escuto uma ou outra faixa, me dá aquela saudade…

Playlist

“Dare You To Move” – Switchfoot
“Cry” – Mandy Moore
“Someday We’ll Know” – Mandy Moore, Jon Foreman
“Dancing in The Moonlight” – 2001 Remix Toploader
“Learning To Breathe” – Switchfoot
“Only Hope” – Mandy Moore
“It’s Gonna Be Love” – Mandy Moore
“You” – Switchfoot
“If You Believe” – Rachael Lampa
“No One” – Cold
“So What Does It All Mean?” – West, Gould & Fitzgerald
“Mother, We Just Can’t Get Enough” – New Radicals
“Cannonball” – The Breeders
“Friday On My Mind” – Noogie
“Empty Spaces” – Fuel
“Only Hope” – Switchfoot

A trilha inteira é muito boa, porém gosto bastante de “Learning To Breathe”, “Only Hope” e “Empty Spaces”.

Que rufem os tambores para o primeiro lugar!

Era de se esperar, particularmente falando, que a trilha de “A Walk To Remember” fosse o primeiro lugar.

É, deveria sim, porque foi aquela primeira trilha mesmo que eu escutei. Foi a partir dela que eu comecei a escutar outras trilhas de filmes.

No entanto, há uma trilha sonora em especial que fez muito mais do que marcar minha vida.

E é dela o primeiro lugar!

1º Lugar

Pride & Prejudice (“Orgulho e Preconceito”)

Obviedades ou não, a adaptação do romance de Jane Austen, dirigido por Joe Wright, com Keira Knightley e Mattew Macfadyen, estreado em 2005, tem a trilha assinada por Dario Marianelli, com performances do pianista Jean-Yves Thiabaudet, que inclusive foi indicado a quatro estatuetas do Oscar, incluindo o de Melhor Trilha.

O que eu posso dizer da trilha maravilhosa desse filme? Que além de marcar a minha vida, também me inspira? Que a partir dela que eu comecei a ouvir música clássica e a gostar o gênero também?

Ainda sim não vai ser o suficiente. O que eu posso dizer para você, caro ser desta galáxia, é que a suavidade das canções de Marianelli é uma maravilha para os ouvidos. Nunca gostei tanto de um piano e de um violino como na trilha de “Orgulho e Preconceito”. E assim como na mencionada trilha de Harry Potter, esta também faz você mergulhar na história de Elizabeth e Mr. Darcy, além de fazer você criar sua própria história.

Playlist

1. Dawn
2. Stars And Butterflies
3. The Living Sculptures Of Pemberley
4. Meryton Townhall
5. The Militia Marches In
6. Georgiana
7. Arrival At Netherfield
8. APostcard To Henry Purcell
9. Liz On Top Of The World
10. Leaving Netherfield
11. Another Dance
12. The Secret Life Of Daydreams
13. Darcy’s Letter
14. Can’t Slow Down
15. Your Hands Are Cold
16. Mrs. Darcy
17. Credits

Não, não vou selecionar só uma canção. A trilha inteira por si só já é mais do que digna de destaque.

Atualmente está na minha playlist de trilhas sonoras a da franquia “Piratas do Caribe”, “Amanhecer – Parte I” e a do filme “Meu Monstro de Estimação”, todas incríveis.

E aí? Tem alguma trilha de filme especial? Aquela que, de alguma forma, marcou sua vida? Não deixem de comentar!

Espero que tenham gostado.

Abraços!

 Juliana Lira

[Cinema] Estreias da semana

Dicas para o fim de semana: Duas estreias bacanas nos cinemas de todo o país. O Palhaço e Contágio.

Selton Mello, diretor do surpreendente Feliz Natal, em sua segunda incursão como cineasta, toma o picadeiro como o cenário de seu mais novo filme e retrata o drama de Benjamin que, ao lado de seu pai, Valdemar, forma a encantadora e divertida dupla de palhaços Pangaré e Puro Sangue.  Apesar de seu trabalho ter como objetivo fazer as pessoas rirem, ele se encontra em um momento de crise e infelicidade. Numa típica situação “sem lenço, sem documento” (realmente, o palhaço não possui nenhum documento), ele decide partir em busca de um sonho. Além do próprio Selton, o elenco também conta com o veterano Paulo José.

Felizmente Selton Mello tem um ego menor enquanto diretor do que como ator (eu gosto de várias atuações dele, não entendam errado). Pesquisando sobre o filme para postar aqui, li em alguns lugares que O Palhaço tem uma vibe Wes Anderson, mas como eu sou um anti-Anderson de marca maior, prefiro ignorar tais comentários e ir despido de preconceitos conferir o trabalho de Selton, não ligando para as impressões dos outros 😉

Steven Soderbergh é um diretor um tanto quanto pretensioso. Já cometeu muitos deslizes em sua carreira, mas felizmente tem mais acertos do que erros em seu currículo. E esse Contágio, ao que tudo indica, parece ser mais um em sua lista de acertos.

A ideia do filme é bem interessante, apesar de não realmente inovadora. Mas, desde que bem desenvolvida, já é um grande mérito. Contágio aborda a luta pela sobrevivência dos seres humanos diante de um vírus letal, transmissível pelo ar, e que mata os infectados em questão de dias. A epidemia se inicia na Ásia e logo se alastra rapidamente por quatro continentes. A comunidade médica mundial começa, então, uma corrida contra o tempo, para encontrar a cura e conter o desespero que passa a assolar todos os cantos do globo.

Além do mote infalível capaz de atrair o público para o multiplex mais próximo, Contágio ainda conta com a força de um elenco estelar (algo que o diretor faz quase sempre questão em seus filmes): Marion Cotillard, Matt Damon, Laurence Fishburne, Jude Law, Gwyneth Paltrow e Kate Winslet marcam presença no novo de Soderbergh.

Trailer de O Palhaço e Contágio:

Kevin Kelissy

[Dicas] Bastardos Inglórios

Bastardos Inglórios se passa durante a Segunda Guerra Mundial, no primeiro ano da ocupação da França pela Alemanha. É nesse cenário que a judia Shosanna Dreyfus vê sua família ser cruelmente executada pelo coronel nazista Hans Landa, também conhecido como “caçador de judeus”. A partir daí começa mais uma história de vingança narrada por Quentin Tarantino. Mas esqueça Beatrix Kiddo, a noiva de Kill Bill. Por mais que o cineasta explore o tema vingança novamente, aqui o contexto é bem diferente.

Paralelamente à história de Shosana, surge o tenente Aldo Raine que forma Os Bastardos, um grupo de soldados judeus unidos para exterminar nazistas.

Novamente o cineasta usa e abusa da “estética da violência”, apropria-se de uma narrativa em capítulos e recheia seu filme de referências pop obscuras e humor negro, como já é de praxe. Mas isso não significa que seja apenas mais um filme do Tarantino. Um filme de Tarantino nunca é apenas mais um. Dessa vez, o cineasta explora um terreno até então não visitado por ele e permite-se inovar, tomar liberdades criativas e distorcer a história da Segunda Grande Guerra.

Com o cinema de Tarantino não existe meio-termo. Ama-se ou odeia-se. Não dá para simplesmente ser indiferente. “Cineasta superestimado que repete fórmulas e criador de diálogos preconceituosos” é como ousam vesti-lo os detratores que, em termos de quantidade, podem não se comparar ao número de fãs que o diretor possui, mas sim, eles existem.

Ao longo dos anos, esses detratores não hesitaram em chamar o cinema de Tarantino de racista entre outros impropérios. E isso não fez com que o diretor se intimidasse ao, por exemplo, dar mais substância e espaço na tela ao grande vilão nazista Hans Landa, que é sem dúvida, o personagem mais bem desenvolvido do longa. Bela presença de cena do ator Christoph Waltz. Os demais personagens são como a maioria das figuras que já ilustraram as películas tarantinianas: rasos. O diretor nunca fez questão de construir detalhadamente suas personagens. O que importa são as situações nas quais ele as envolve. No máximo, ele apresenta sequências em flashback para explicar como as personagens foram parar nas histórias tresloucadas que ele conta. Brad Pitt, na pele de Aldo Raine, funciona mais como o alívio cômico do filme e Mélanie Laurent, como a judia Shosana Dreyfus, é quase uma encarnação de uma diva do cinema francês. Nenhum deles apresenta muita espessura como personagem. Eles apenas estão na tela para pôr em prática seus planos de vingança.

Os diálogos longos seguidos de cenas impactantes e ultra violentas – outra das marcas registradas do cineasta – também estão presentes em profusão neste longa. Afinal, é assim que Tarantino sabe fazer cinema – lidando com a expectativa e o choque do espectador. Trabalhando (muito bem, diga-se de passagem) com o clímax e o anticlímax. Em Bastardos Inglórios, por exemplo, cenas fabulosas mal atingem seu auge e são cortadas abruptamente, bem como a trilha sonora que mais uma vez se destaca.

Bastardos Inglórios é ousado no tom adotado para contar a narrativa, desafiando a história, e no show de violência e sangue.

O melhor de Tarantino é o fato de que ele soube construir uma identidade cinematográfica como poucos. Assim como Almodóvar, Kubrick e De Palma, é impossível assistir a um filme de Tarantino e não reconhecê-lo nele.

É fato que essa resenha era para ser uma resenha sobre Bastardos Inglórios, mas é quase uma resenha sobre Tarantino. Talvez seja porque sua figura tenha se tornado mais célebre e icônica que os seus próprios filmes. E talvez seja por isso que ele tenha optado por deixar a modéstia de lado e afirmar (através de uma fala do personagem de Brad Pitt) no final de Bastardos Inglórios: Essa é minha Obra-Prima.

Postado originalmente em http://inquadrofilmes.blogspot.com/2009/10/bastardos-inglorios.html em 25/OUT/2009

Andrizy Bento

[Televisão] Pretty Little Liars

O desaparecimento da líder de um grupo de cinco amigas populares na fictícia Rosewood é o ponto de partida de Pretty Little Liars. Mesmo um ano depois, o mistério ainda assombra a pequena cidade. Logo nos primeiros episódios descobrirmos se tratar não apenas de um desaparecimento, mas sim de um assassinato. Embora a lei diga o contrário, o crime parece estar muito longe da resolução e Aria, Hanna, Emily e Spencer sentem como se o fantasma de Alison estivesse sempre rondando por ali.

As amigas remanescentes se distanciam umas das outras logo após o misterioso ocorrido, mas uma série de estranhos eventos que passam a acontecer na cidade um ano após o desaparecimento de Ali, as reaproxima e o laço que as une parece mais forte do que nunca.

Aparentemente, a única saída das quatro amigas é permanecerem unidas, do contrário, as fragilidades particulares de cada uma, podem fazer com que elas sejam vencidas facilmente, não só pelos fantasmas do passado e a marca que o crime deixou na história delas e da cidade, como pela misteriosa criatura que se autodenomina “A” e que está sempre as observando onde quer que elas estejam, chantageando-as e mandando recadinhos irônicos e maldosos através de bilhetes e mensagens de texto.

O mote da série, a lenda urbana, faz com que esta funcione e desperte algum interesse. O mistério que cerca o assassinato e o clima de suspense quase constante no melhor estilo Eu Sei o Que Vocês Fizeram no Verão Passado, dão um diferencial à trama que, por se tratar de uma série protagonizada por personagens adolescentes, não escapa dos chavões narrativos e dos estereótipos tão comuns existentes em outras séries teen.

Outro trunfo de Pretty Little Liars  é mostrar que o relacionamento das amigas Ali, Aria, Emily, Hanna e Spencer nem sempre foi um mar de rosas. Ali não era apenas excessivamente admirada pelas demais, como também invejada e temida. Ela oprimia as amigas e ditava as regras do jogo, sempre com seu jeito atrevido, irreverente e sem medo de magoá-las com sua sinceridade. Fica evidente que as outras quatro só se tornaram amigas por causa de Ali, e esta costumava dizer que era ela quem as tinha feito, que certamente elas não seriam nada sem a sua abelha-rainha. Por isso suportavam a humilhação a que eram submetidas, como ser alvo de bullying por ser gordinha, que era o caso de Hanna, ou mesmo ser confundida por conta de sua orientação sexual, no caso de Emily. A única que realmente tinha coragem para iniciar embates com Ali era Spencer, contudo, não conseguia fugir das conseqüências que isso acarretava e isto mesmo depois da morte da amiga

Sabemos, portanto, que elas nunca foram lá muito boazinhas e que fizeram coisas que não deviam, e não apenas elas como outros habitantes da aparentemente pacata Rosewood que vão sendo revelados lá pelas tantas, como se todas as ligações levassem à Alison, ela soubesse demais e, por conta disso, tivesse sido morta.

Mas a riqueza do background, todo o mistério e os cliffhangers que contribuem para que a série se torne ‘viciante’, não são o suficiente para evitar que certas fraquezas sejam evidenciadas a partir da segunda temporada, quando muitas saídas não soam convincentes e as soluções (ou falta destas) são excessivamente forçadas. É incrível como tudo dá absolutamente errado e as garotas são extremamente azaradas, sempre perdendo provas e pistas importantes ou sendo pegas de surpresa indo pelo caminho errado, quando todas as evidências pareciam apontar exatamente para a resolução do enigma.

Além disso, os arcos dramáticos que envolvem as amigas, no que concerne à família e relacionamentos, muitas vezes se resumem a puro lenga-lenga. Um exemplo é a manjada relação proibida entre professor e aluna que parece três vezes mais conflituosa do que realmente deveria ser.

Espero realmente que encontrem uma justificativa plausível para o fato de A ser tão onipresente, onisciente e onipotente (ou talvez eu devesse colocar essas características no plural?). Não faz sentido a série ultrapassar três temporadas, pois corre o grande risco de se tornar cansativa, forçada ao extremo e perder o escopo.

Mas para quem gosta de tramas adolescentes que aliam mistério e suspense a dramas pessoais mal-resolvidos e conflitos internos, Pretty Little Liars é uma ótima alternativa. Uma mistura do já citado Eu Sei O Que Vocês Fizeram no Verão Passado com a série Desperate Housewives. Para o telespectador, fica como uma boa opção de entretenimento tentar encaixar as peças desse complicado quebra-cabeça.

Fonte da imagem: http://www.buddytv.com/

Andrizy Bento

[Cinema] A Árvore da Vida

A Árvore da Vida é uma experiência cinematográfica ímpar. Daqueles filmes que você tem que conferir no veículo ao qual ele foi destinado, o cinema. Na telinha, com certeza, perderá muito de sua força.

Carregado de um profundo lirismo, o novo longa de Terrence Malick é uma ode à vida e ao que ela tem de mais genuíno. Uma obra sobre a busca, a procura, o sentido da existência. É uma narrativa que versa sobre a vida e a morte, que traz e desperta reflexões e questionamentos de ordem religiosa, filosófica e moral, acerca da família, de nossos vínculos com esta e da própria condição humana. Um épico sobre o contundente relacionamento entre um pai e um filho.

Grande parte da força  do filme se concentra no poderoso elenco, sobretudo em Hunter McCracken que interpreta Jack quando garoto, o mais velho de três irmãos (personagem este, que aparece mais velho interpretado por Sean Penn). Outros destaques ficam por conta de Jessica Chastain e Brad Pitt, ótimos como a mãe dócil e o pai rígido, as figuras essenciais que ajudam a construir e moldar o caráter dos três filhos, cada um à sua maneira. É como se a mãe representasse o caminho da graça e o pai o caminho da natureza – caminhos estes que são citados logo no início do longa pela personagem de Chastain – Seriam esses caminhos opostos? O filme de Malick parece mostrar que um, na verdade, está intrinsecamente ligado ao outro.

Acompanhamos a origem, a evolução da vida e do universo, tanto com passagens que aludem ao Big Bang e imagens plasticamente impecáveis das geleiras, oceanos e dinossauros (em algum ponto, os fotogramas nos remetem inevitavelmente ao majestoso 2001: Uma Odisséia no Espaço de Stanley Kubrick, embora as propostas de ambos sejam distintas), como nas metáforas e simbolismos apresentadas ao longo da narrativa, e mesmo nos aspectos mais simples da vida representados na tela. Mallick vai de uma turnê por eventos de proporções colossais que o universo sofreu até um mergulho no mais extremo íntimo do ser humano. Vai do lado mais trivial da vida ao mais trágico, do universal ao individual, sempre transitando por eles de maneira singela. Dessa forma, acabamos forte e genuinamente conectados à história e aos seus personagens.

Malick é um diretor raro, que não se limita a contar uma historinha. Ele se permite ousar, mas de forma madura e sutil. Toda a emoção é transmitida através das belas e inspiradas imagens, não por meio de diálogos redundantes, passando longe de uma narrativa convencional. Malick é um cara que pensa e faz cinema. Aliás, cinema em sua melhor forma.

O longa é de extrema delicadeza, sofisticação e sensibilidade. A trilha sonora, a cargo do sensacional Alexandre Desplat, ajuda a compor com precisão a atmosfera proposta pelo diretor.

Tudo isso aliado à mais bela montagem, fotografia, direção de arte e edição de som fazem de A Árvore da Vida um filme único, sem dúvida, o filme mais bonito do ano.

Malick mais uma vez não decepciona e nos presenteia com uma obra inteligente, complexa, sublime e, acima de tudo, autoral, o que é difícil de se encontrar atualmente, principalmente em se tratando de uma proposta tão ambiciosa quanto a de A Árvore da Vida. Um filme cinco estrelas!

Adendo: Creio que interpretar o novo longa de Malick seja algo muito subjetivo. Que cada um compreende as metáforas e simbolismos de acordo com o grau de identificação e interação e “mergulho” na história. E já que eu citei Kubrick, sempre me lembro do que ele disse a respeito de 2001“Você está livre para especular como quiser sobre o sentido filosófico e alegórico do filme”.  Acho que é bem por aí com A Árvore da Vida.

Creio que chovi no molhado com esse adendo, mas tudo bem 😉

Andrizy Bento