Arquivo da categoria: Artigos

Rock Brasil 1 e 2 (1998)

Rock Brasil (papel de parede)

Data de lançamento: Novembro de 1998
Duração: 50:41
Faixas: 30
Estilo: Brock

CD 1 (azul):
OS PARALAMAS DO SUCESSO – Óculos
LULU SANTOS – O Último Romântico
TITÃS – Televisão
BLITZ – Você Não Soube Me Amar
KID ABELHA – Alice (Não Me Escreva Aquela Carta de Amor)
BIQUINI CAVADÃO – No Mundo da Lua
CAPITAL INICIAL – Música Urbana
METRÔ – Beat Acelerado
ULTRAJE A RIGOR – Nós Vamos Invadir Sua Praia
DR. SILVANA & CIA – Eh!Oh!
SEMPRE LIVRE – Fui Eu
PAULO RICARDO & RENATO RUSSO – A Cruz e a Espada
BARÃO VERMELHO – Bete Balanço
ZERO & PAULO RICARDO – Agora Eu Sei
HANÓ HANÓI – Totalmente Demais (ao vivo)

CD 2 (vermelho):
RPM – Olhar 43
LOBÃO E OS RONALDOS – Corações Psicodélicos
CAMISA DE VÊNUS – Eu Não Matei Joana Darc
IRA! – Núcleo Base
MARINA LIMA – Uma Noite e Meia
GANG 90 & ABSURDETES – Nosso Louco Amor
CAZUZA – Exagerado
RÁDIO TAXI – Garota Dourada
AS FRENÉTICAS – Perigosa
GILBERTO GIL – Pessoa Nefasta
ENGENHEIROS DO HAWAII – Era Um Garoto…
NENHUM DE NÓS – O Astronauta de Mármore
INIMIGOS DO REI – Uma Barata Chamada Kafka
MAGAZINE – Sou Boy
RITA LEE – Dançar Para Não Dançar (ao vivo)

Produção: André Werneck
Direção musical: Hélio Costa Manso
Projeto gráfico: Marciso (Pena) Carvalho
Gravadora: Globo Disk
Capas

Continuar lendo Rock Brasil 1 e 2 (1998)

Jonny Quest

Uma das famosas criações dos estúdios de animação Hanna-Barbera, Jonny Quest foi produzido entre os anos de 1964 e 1965, mesma época em que foram lançadas várias outras séries animadas de ficção científica da mesma produtora. O desenho animado foi inspirado em histórias em quadrinhos e programas de rádio da década, tinha traços e animação realistas, tendo sido transmitido pela emissora norte-americana ABC. Continuar lendo Jonny Quest

Recordando: Supermercados Casas da Banha

Vamos inaugurar um estilo diferente de post aqui no site, dando destaque à publicidade brasileira. Para começar, recordamos uma rede de supermercados cuja presença foi de especial importância para a nossa cultura pop, principalmente televisiva.

Vem fazer o tchá tchá tchá/Casas da Banha/Corta os custos no CB/Casas da Banha…” é um jingle bastante lembrado nas propagandas televisivas no Brasil. Ajudou a promover a rede de supermercados Casas da Banha, conhecida popularmente pela sigla CB. Ela foi fundada no Rio de Janeiro em 1955, pelo empresário Climério Veloso, que também era um dos proprietários do hoje extinto Jornal dos Sports. Crio esse artigo em protesto contra os youtubers (com raras exceções) que se esquecem do CB na hora de fazer vídeos sobre empresas brasileiras, hoje extintas .

Continuar lendo Recordando: Supermercados Casas da Banha

[Especial] Teledramaturgia – Parte 5: Novelas Que Não Tiveram Fim

Calma! Não estamos falando daquelas produções que nunca acabam como Malhação e, sim, de novelas que foram interrompida antes de conhecerem um desfecho.

Atualmente, se uma telenovela não anda muito bem de audiência, o autor trata de fazer mudanças na história na esperança de salvar o folhetim, ou dá um jeito de resolver todos os seus arcos rapidamente, antecipando a conclusão dos personagens de modo a não ficar nenhuma lacuna.

Mas já aconteceu  de não haver meios de salvar a telenovela e cancelaram a trama sem concluir o enredo, deixando a produção sem um desfecho (caso comum entre os seriados norte-americanos). Mas a questão do fracasso de audiência não pode ser atribuída a todas as novelas que foram cortadas antes de serem finalizadas, mas também ao fechamento e falência da emissora que a transmitia.

Vejam abaixo quatro casos de novelas de novelas que não chegaram a terminar.

Continuar lendo [Especial] Teledramaturgia – Parte 5: Novelas Que Não Tiveram Fim

Adaptações de Histórias em Quadrinhos Para o Cinema

Quadrinhos e cinema são dois temas fundamentais aqui, no Bloggallerya. Portanto, vamos dar início a uma série de artigos focados no encontro entre as duas mídias.

Adaptações de HQs para o cinema tornaram-se praticamente um subgênero hollywoodiano de uns tempos para cá – mais propriamente dizendo, desde o início do novo milênio. Também pudera, um encontro entre as duas formas de expressão sempre pareceu propenso. Afinal, as semelhanças entre a sétima e a nona arte vão muito além do óbvio fato de ambas associarem o texto à imagem. Continuar lendo Adaptações de Histórias em Quadrinhos Para o Cinema

Bienal de Quadrinhos de Curitiba 2018

As cinzas em que se converteu o Museu Nacional do Rio de Janeiro suscitaram mais uma vez, pelas redes sociais, a discussão acerca do descaso e desleixo para com a cultura no Brasil. Infelizmente, esse trágico e lamentável episódio é somente a ponta do iceberg.

Acredito que a cultura, bem como o esporte, pode ter um efeito transformador na vida de muitas crianças e adolescentes que não dispõem de privilégios e recursos. Ao expressar-se artisticamente, eles transformam o sonho em realidade, e são capazes de evitar caminhos sombrios.

Cultura deveria andar de mãos dadas com a educação. Deveriam ser elementos intrínsecos. “A educação é a base de tudo”, você já deve ter ouvido essa frase milhares de vezes por aí. Investindo em mais educação, na reforma e construção de mais escolas, oferecendo salários mais dignos para professores e fomentando o aprendizado constante e a vontade de educar, estaríamos trilhando certamente um caminho mais seguro. Ao invés de cultivar a cultura da punição, estaríamos incentivando a cultura da prevenção, pensando em um futuro melhor para as crianças.

Mas é mais do que óbvio que educação não é prioridade no país. Tampouco cultura. Um povo letrado e instruído desenvolveria senso crítico, o que poderia ser uma poderosa arma contra governantes picaretas e corruptos. Um país bem educado está longe, muito longe, de representar uma prioridade, pois não traz aos poderosos nenhuma vantagem. Quanto menos instrução, menor é o risco de o povo começar a ponderar, a refletir. Quanto mais iletrado, mais fácil de ser manipulado.

Mas, Andrizy, o que isso tem a ver com a Bienal de Quadrinhos?

Continuar lendo Bienal de Quadrinhos de Curitiba 2018