Arquivo da categoria: Artigos

Hit and Run (1981) – Girlschool

Data de lançamento: 20 de abril de 1981
Duração: 35:51
Faixas: 11 faixas
Estilo: Heavy Metal
Produção: Vic Maile
Gravadora: Bronze Records

Lado A
C’mom Let’s Go
The Hunter
(I’m Your) Victim
Kick It Town
Following The Crowd
Tush

Lado B
Hit and Run
Watch Your Step
Back to Star
Yeah Right
Future Flash

Faixas bônus da edição remasterizada de 2004:
Please Don’t Tuch (com o Motörhead)
Bomber
Tonight
Demolition Boys (ao vivo)
Tonight (ao vivo)
Yeah Right (ao vivo na rádio BBC)
The Hunter (ao vivo na rádio BBC)
Kick It Down (ao vivo na rádio BBC)
Watch Your Step (ao vivo na rádio BBC)

Continuar lendo Hit and Run (1981) – Girlschool

Vencedores do Oscar 2021 – In Memoriam

Nomadland foi eleito o Melhor Filme no Oscar 2021

O Oscar em tempos de pandemia se absteve das tradicionais gags. Ainda bem, pois a criatividade tem passado longe dos roteiristas da premiação ano após ano, com piadinhas cada vez mais desgastadas, sem graça e sem criatividade. Mas, acima de tudo, essa foi uma decisão tomada por questão de respeito, afinal estamos em um momento crítico e sombrio. Por mais que a premiação tenha sido presencial, teve de respeitar as normas e orientações de distanciamento social estipuladas pela Organização Mundial da Saúde (OMS); não foi realizada no tradicional Dolby Theatre (embora, também tenha sido um espaço utilizado durante o evento), mas concentrou seus convidados na Union Station, estação de trem desativada localizada em Los Angeles, e ainda contou com outros palcos ao redor do mundo, como na França e em Londres. Desse modo, os diversos nomes que se revezaram para apresentar as categorias e anunciar os vencedores, se restringiram a fazer o serviço de modo breve e direto, sem embromações. O evento foi discreto e sem muita pompa ou glamour; dirigido pelo cineasta Steven Soderbergh que bem poderia concorrer ao Framboesa de Ouro de Pior Direção no ano que vem por esse Oscar que foi o flop dos flops.

Uma série de tomadas de decisões ruins, cerimônia apressada e atropelada (a despeito de suas mais de três horas de duração), com um ar de que foi realizada apenas para cumprir a tabela da temporada. Foi o que definiu a edição deste ano. Seria ressentimento da Academia por conta de tantos longas independentes e egressos de streaming concorrendo aos prêmios ou a melancolia decorrente do período que nos encontramos que fez a organização ser mais comedida (talvez pelo medo de parecer insensível ao realizar uma festa desse nível quando boa parte do mundo ainda está doente e outra se encontra em fase de recuperação)? Quem vai saber?

A realizadora Chloe Zhao foi a segunda mulher a faturar um Oscar de direção em 93 anos de premiação

Em suma, tratou-se de uma cerimônia sem grande emoção. O In Memoriam – momento típico da premiação em que se presta um tributo aos profissionais do cinema que faleceram ao longo do ano anterior – foi muito rápido, desprovido de sentimento e contando com uma trilha sonora equivocada. O próprio Oscar deveria ser incluso na lista, porque, com o perdão do trocadilho (por favor, não me cancelem!), este foi um evento morto.

Atípico, também, entregar o prêmio principal da noite, de Melhor Filme, antes de anunciarem os vencedores de Melhor Atriz e Ator. Outra das decisões estapafúrdias dos realizadores.

Yuh-Jung Youn entregou o melhor discurso da noite

Dentre os pontos positivos, podemos citar o ótimo discurso de Yuh-Jung Youn, vencedora do prêmio de Melhor Atriz Coadjuvante por Minari, que aproveitou para gracejar com Brad Pitt após ele lhe entregar o prêmio, garantindo o melhor momento da noite; Meu Pai vencendo as categorias de Roteiro Adaptado e Melhor Ator para Anthony Hopkins (merecidíssimo); Daniel Kaluuya levando a estatueta de Melhor Ator Coadjuvante por Judas e o Messias Negro; o belo e devastador Se Algo Acontecer… Te Amo sendo premiado como o Melhor Curta-Metragem de Animação; e Chloe Zhao arrematando o Oscar de Melhor Direção. Aliás, ela é simplesmente a segunda mulher a vencer a categoria de Direção em 93 anos de premiação.

Quanto às minhas apostas… Foi um dos meus piores anos palpitando. 17 acertos em 23 categorias, sendo três possibilidades certeiras. Um verdadeiro desastre tal qual a cerimônia. Abaixo, você confere os vencedores na ordem em que foram anunciados. Os asteriscos indicam os acertos com relação às minhas apostas.

Continuar lendo Vencedores do Oscar 2021 – In Memoriam

Comando Estelar Flashman

Após falar de Jaspion e Changeman, é hora de ceder espaço para outro tokusatsu que também está no coração dos brasileiros. Neste mês, Flashman está celebrando 35 anos no Japão.

Devido ao sucesso das duas produções citadas acima, o senhor Toshi Egashira percebeu que o tokusatsu era viável no Brasil e trouxe mais um para a sua Everest Video. Flashman é o décimo da franquia Super Sentai e produzido pela Toei Company. Seu nome oficial é Choushinsei Flashman que, em português, significa Supernova Flashman. Sua exibição no Japão, originalmente, deu-se entre 1º de março de 1986 e 21 de fevereiro de 1987 na TV Asahi. No Brasil, foi rebatizado de Comando Estelar Flashman, dublado pela Álamo e estreou no dia 6 de março de 1989, no programa Clube da Criança da extinta TV Manchete. Continuar lendo Comando Estelar Flashman

[Versões e Regravações] Train in Vain – Clash

Original:

Composição do guitarrista Mick Jones, Train In Vain é canção que encerra o clássico álbum London Calling de 1979, terceiro trabalho da banda de punk rock britânica The Clash. A princípio, a música nem entraria no disco, mas, no último minuto, o grupo resolveu adicioná-la como uma faixa oculta. Curiosamente, o Clash lançou Train in Vain como terceiro single de trabalho do álbum e, posteriormente, a faixa figurou como a primeira do grupo  a alcançar o top 30 das paradas musicais dos Estados Unidos. Continuar lendo [Versões e Regravações] Train in Vain – Clash

Cinema Mudo (1983) – Os Paralamas do Sucesso

Data de Lançamento: 21 de agosto de 1983
Faixas: 10 faixas
Duração: 31:17
Estilo: Pop Rock, Ska, New Wave
Produção: Marcelo Sussekind
Gravadora: EMI-Odeon

Lado A
Vital e Sua Moto
Foi o Mordomo
Cinema Mudo
Patrulha Noturna
Shopstake

Lado B
Vovó Ondina É Gente Fina
O Que Eu Não Disse
Química
Encruzilhada
Volúpia

Continuar lendo Cinema Mudo (1983) – Os Paralamas do Sucesso

Vencedores do Globo de Ouro 2021

Conhecemos nessa noite de domingo, 28 de fevereiro, os vencedores da 78ª edição do Globo de Ouro, em cerimônia comandada pela dupla Tina Fey (diretamente de Nova York) e Amy Poehler (de Los Angeles). Devido ao momento pandêmico, apenas algumas personalidades subiram ao palco para anunciar os vencedores, enquanto estes agradeceram os prêmios recebidos diretamente de suas casas, dividindo a tela com os demais indicados que disputavam nas categorias de cinema e televisão.

A premiação seguiu assim: parte presencial, parte virtual. Obviamente, o formato não deixou de apresentar algumas falhas. A primeira delas, logo no início da cerimônia, quando o áudio de Daniel Kaluuya cismou de não funcionar bem no momento em que ele agradecia o prêmio de Melhor Ator Coadjuvante pelo filme Judas and The Black Messiah.

Nas premiações cinematográficas, foi certamente um prazer para muita gente ver Nomadland levar os prêmios de Melhor Filme de Drama e Direção para Chloé Zhao. Borat: Fita de Cinema Seguinte levou a melhor nas categorias de Melhor Filme de Comédia ou Musical e Melhor Ator de Comédia ou Musical para Sacha Baron Cohen, que ainda concorria ao prêmio de Ator Coadjuvante por Os Sete de Chicago. Falando nele, o longa de Aaron Sorkin foi premiado na categoria Melhor Roteiro.

Andra Day surpreendeu e derrotou nomes de peso como Viola Davis, Vanessa Kirby, Frances Mcdormand e Carey Mulligan, vencendo a disputa de Melhor Atriz de Drama por The United States Vs. Billie Holiday. Outra surpresa foi Rosamund Pike sendo premiada como a Melhor Atriz em Filme de Comédia ou Musical por I Care a Lot. Chadwick Boseman levou o prêmio póstumo de Ator em Filme Dramático por A Voz Suprema do Blues. E uma das grandes barbadas da noite foi o prêmio de melhor animação entregue a Soul.

Nas categorias televisivas, mais vitórias previsíveis: The Crown e Schitts Creek saíram vitoriosas em Melhor Série de Drama e Comédia ou Musical respectivamente. A primeira, ainda levou mais três estatuetas: Melhor Atriz e Ator em Série de Drama e Melhor Atriz Coadjuvante em Série. Vitórias merecidas de The Queen’s Gambit e sua protagonista, Anya Taylor-Joy, em Melhor Série Limitada ou Filme para TV e melhor performance feminina em minissérie ou telefilme.

Abaixo, você confere os vencedores em todas as categorias do Globo de Ouro 2021 que, aqui na Brasil, contou com a transmissão exclusiva e simultânea do canal por assinatura TNT. Continuar lendo Vencedores do Globo de Ouro 2021