Todos os posts de bloggallerya

Fanboyz and Fangirlz

Legião Urbana (1985)

2 - capa do disco

Data de Lançamento: 2 de janeiro de 1985
Duração: 37:09
Faixas: 11 faixas
Estilo: Rock, Pós-Punk, Rock Alternativo, Punk Rock
Produção: José Emílio Rondeau
Gravadora: EMI – Odeon

Lado A
Será
A Dança
Petróleo do Futuro
Ainda É Cedo
Perdidos no Espaço
Geração Coca-Cola

Lado B
O Reggae
Baader-Meinhof Blues
Soldados
Teorema
Por Enquanto

Edição especial Legião Urbana 30 Anos CD 2
Geração Coca-Cola (demo 1983)
Ainda é cedo (demo 1983)
A Dança (demo 1983) – part Herbert Vianna
Química (Clip Pirata)
Perdidos no Espaço (Outtake
O Reggae (Outtake)
Renato Apresenta
Ainda é cedo (take 9)
Será (Outtake)
Chamadas de rádio
Petróleo do Futuro (demo BSB)
Ainda é cedo (demo BSB)
Teorema (demo BSB)
Aduuuuuuhhh!! (ao vivo)
Profecia de Renato
Por Enquanto (Outtake)
A Dança (remix Mario Caldato) part Herbert Vianna
O Reggae (remix Liminha) Continuar lendo Legião Urbana (1985)

[O que ver na quarentena] Fleabag

A protagonista de Fleabag não tem nome. 

Ela atende por essa alcunha de Fleabag que significa literalmente “saco de pulgas”, mas pode ainda ser adaptado para algo como “vira-lata”, como se ela estivesse sempre por aí, pelas ruas sujas da cidade, sendo jogada pra lá e pra cá, sem raízes, sem afeto. Por não ter um nome e carregar um apelido tão desagradável, a personagem defendida (brilhantemente, diga-se de passagem) por Phoebe Waller-Bridge (também criadora e roteirista da série), converte-se em um símbolo, bem como os outros personagens sem nomes, tais quais o pai interpretado por Bill Paterson e a madrasta, vivida pela genial Olivia Colman. E o fato de quebrar a quarta parede desde a primeira cena, olhando diretamente para a câmera e dialogando com o espectador, torna mais visível o propósito da personagem. Afinal, a medida que avançamos pelos episódios, percebemos que Fleabag não está necessariamente falando com quem a assiste do outro lado da tela, mas com ela mesma. 

O que quer dizer que a ideia de Fleabag é a de nos projetarmos na personagem e reconhecer nela nossos próprios fracassos, inseguranças e problemas. Mas não em busca de aprender a lidar com isso, se aceitar ou encontrar uma resolução. É humor britânico, não livro de autoajuda. Não à toa, a série acionou em mim gatilhos para os quais eu não estava preparada. A identificação ocorreu em diversas passagens, chegando a ser dolorosa e até perturbadora de se constatar. Mas produção boa é aquela que aponta para você, insere o dedo na ferida e sacode com vontade. E isso Fleabag faz com louvor. Continuar lendo [O que ver na quarentena] Fleabag

10 Filmes Referentes ao Japão

Eis mais um especial sobre o Japão, sede das Olimpíadas de Tóquio; evento que seria realizado neste ano, mas teve de ser adiado para 2021, por conta da epidemia de COVID-19, causada pelo coronavírus. Aqui vamos tratar da sétima arte, que em algumas ocasiões usou o país do sol nascente como inspiração, o tornando um grande atrativo para os seus entusiastas.

É bem verdade que nem sempre se pode confiar em como filmes, seriados ou novelas retratam nações estrangeiras, pois, a maioria expõe visões distorcidas sobre costumes de determinados países, principalmente do extremo oriente (Japão, China, Coréia do Sul…). Sem contar que, para algumas produções do século XX, os cineastas de Hollywood costumavam escalar atores nascido no Havaí (arquipélago que pertence ao governo americano) para interpretar personagens extremo-orientais e muitos deles ganharam popularidade como Tia Carrere, Mark Dacascos e Jason Scott Lee.

Sem mais delongas, vamos à lista dos dez melhores filmes sobre o tema. Continuar lendo 10 Filmes Referentes ao Japão

[O que ver na quarentena] Kuzu no Honkai (Scum’s Wish)

Mangá do gênero seinen de autoria de Mengo Yokoyari e publicado pela revista mensal Big Gangan – pertencente ao gigante grupo Square Enix – entre 2012 e 2017, totalizando oito volumes, foi adaptado para o formato anime pelo estúdio Lerche e exibido entre 12 de janeiro e 30 de março de 2017 pela Fuji TV, no bloco Noitamina – faixa destinada exclusivamente a animes. Kuzu no Honkai, que recebeu, em inglês, o título de Scum’s Wish (Desejo da Escória, em tradução livre para o português), é uma obra impregnada de melancolia. E não poderia ser diferente, uma vez que o elemento nuclear da narrativa é o amor não correspondido. Continuar lendo [O que ver na quarentena] Kuzu no Honkai (Scum’s Wish)

[O que ler na quarentena] Simulacron-3

Daniel F. Galouye não figura na lista de autores aclamados do gênero ficção científica como Arthur C. Clarke ou Isaac Asimov. Nem mesmo teve sua obra reconhecida postumamente como Philip K. Dick. E, infelizmente, nem parece correr o risco de vir a ser redescoberto por uma nova safra de leitores aficionados por sci-fi. Talvez seja pelo fato de não possuir a mesma energia narrativa transformadora, o texto denso e complexo dos demais citados. Mas, ainda assim, vale a pena dar uma oportunidade e descobrir sua obra. Continuar lendo [O que ler na quarentena] Simulacron-3

Bons Filmes em Maio (2020)

Continuamos em casa… Isto é, fazendo o máximo possível para permanecer em casa, mas tendo de sair vez ou outra, quando realmente necessário, certo? Cinemas continuam fechados e totalmente fora de cogitação… Mas há inúmeras opções de streaming para conferirmos filmes novos, antigos, clássicos, etc… Para quem não é assinante de Netflix, Amazon Prime Video, Telecine Play, Globoplay, existe a alternativa de alugar ou comprar filmes avulsos pelas plataformas Google Play, Looke, iTunes, quase como se fossem locadoras online (os mais nostálgicos devem se lembrar como funcionavam as locadoras de vídeo e DVD). Para quem possui TV por assinatura, também há algumas dicas. Abaixo, você confere datas de lançamento ou exibição e sinopses dos principais destaques em filmes do mês de maio nos streamings, bem como as plataformas e canais pelos quais vocês podem assisti-los.

Continuar lendo Bons Filmes em Maio (2020)