Copa do Mundo Musical

Segundo artigo da trilogia Copa do Mundo. Como sabem, a 22ª edição do maior torneio de futebol do planeta será realizada no Catar, primeiro país do oriente médio a sediar a competição. Também é a segunda vez que uma edição da Copa irá ocorrer na Ásia – a primeira foi na Coréia do Sul/Japão em 2002.

Como eu disse no artigo anterior, a Copa do Mundo de 2022 está marcada para o fim do ano, mais precisamente entre novembro e dezembro. Geralmente o torneio costuma acontecer entre junho e julho, porém, nessa época do ano, o verão no país anfitrião é muito rígido e isso poderia prejudicar a saúde dos atletas.

Assim como o futebol, a música (seja qual for o estilo) também mexe com as pessoas. Aqui será relatada a associação entre Copa do Mundo e música. Separei aqui as vinte histórias mais conhecidas sobre essa junção, no Brasil e no mundo, sejam elas hinos das edições do torneio ou não. Porém não foi fácil escolher uns e deixar outros de fora…

Touradas no Maracanã

Esse é o primeiro caso de junção da música com a Copa do Mundo. O Brasil recebeu a quarta edição do torneio em 1950, o primeiro após a Segunda Guerra Mundial. Como algumas seleções não puderam comparecer, por que ainda estavam se reestruturando com o conflito citado, apenas treze países disputaram a competição. Por conta disso, não teve fase mata-mata. No lugar, rolou quadrangular decisivo. Nessa fase, o anfitrião, Brasil, marcou presença e seus jogos foram disputados no Rio, mais precisamente no Maracanã, gigante estádio que foi erguido para esse mundial.

No primeiro jogo do quadrangular, a seleção goleou a Suécia por 7×1. No dia 13 de julho, veio a segunda partida contra a Espanha. Quando o jogo foi iniciado, a torcida brasileira começou a cantar a marchinha de carnaval Touradas de Madri, composta por Braguinha nos anos 1930. O músico foi às lágrimas ao ouvir sua composição ser entoada pelos 153 mil presentes no Maracanã. Conforme a torcida cantava as Touradas de Madri, a seleção marcava os gols, em uma marcante goleada de 6×1 contra os espanhóis. O vídeo acima traz o áudio da Rádio Nacional, que mostra os torcedores ainda cantando a marchinha, com a partida se aproximando do fim.

As duas goleadas deixaram o Brasil com a vantagem do empate contra o Uruguai, na última partida do quadrangular. Porém, o excesso de confiança atrapalhou a seleção, que perdeu de virada por 2×1, deixando a Copa escapar em pleno Maracanã em 16 de julho. Os uruguaios batizaram essa derrota de Maracanaço e, durante 64 anos, ficou marcado como o maior vexame dado pelo Brasil como país-sede de uma copa. O fato foi superado pela goleada de 7×1 que a seleção levou da Alemanha, no Estádio do Mineirão, em Belo Horizonte, no dia 8 de julho de 2014. Derrota essa chamada de Mineiratzen pelos alemães e Mineiraço aqui no Brasil.

Iron Maiden Football Club

O grupo de heavy metal inglês tem forte ligação com o futebol. Para aproveitar o clima da última Copa do Mundo do século 20, realizada na França em 1998, o Iron Maiden lançou, no mesmo ano, o seu 11º disco: Virtual XI, o segundo com o vocalista Blaze Bayley (16). Sua capa traz um garoto em uma partida de futebol, vendo Eddie (mascote do Iron) e o caos através dos óculos de realidade virtual. Para a foto que ilustra a página central do encarte de Virtual XI, os membros do grupo posaram como um time de futebol antes de uma partida. Junto deles estão alguns ídolos mundiais da época, como o colombiano Faustino Asprilla (10), o holandês Marc Overmars (7), o francês Patrick Vieira (4) e os ingleses Stuart Pearce (3), Paul Gascoigne (8) e Ian Wright (9).

Os videoclipes das canções Wasted Years e Holy Smoke são outras provas de que o Iron Maiden ama futebol. O seu baixista e fundador, Steve Harris (11), é torcedor do West Ham, time em que chegou a jogar nas categorias de base. Porém, os treinos puxados e a paixão pela música o impediram de seguir carreira nos gramados. Mas isso não destruiu a sua devoção pelos Hammers, tanto que costuma se apresentar com munhequeiras do clube e com o escudo estampado em seu contrabaixo, fora as partidas de futebol que promove nas turnês. Na banda, quem também torce pelo West Ham são Clive Burr e Nicko McBrain (camisa de goleiro), respectivamente o ex e o atual baterista do Iron Maiden.

Na banda, os guitarristas possuem os seus clubes preferidos. Apesar de ter nascido na capital da Inglaterra, Londres, Adrian Smith torce para o Manchester United. Dave Murray (agachado, segundo à esquerda) torce para o Tottenham, o mesmo clube onde joga Harry Kane, o atual goleador da seleção inglesa. O terceiro guitarrista, Janick Gers (agachado, segundo à direita) torce para o Newcastle, o mesmo clube de Brian Johnson, vocalista do AC/DC. Já o vocalista, Bruce Dickinson, não tem preferência por nenhum time, mas já pilotou o avião que levava clubes europeus para disputar a Liga dos Campeões da UEFA e a Liga Europa.

Pra Frente Brasil

É a canção-tema da conquista do tricampeonato mundial da seleção em 1970. A letra é de autoria de Miguel Gustavo, enquanto a parte rítmica ficou a cargo de Raul de Souza. Sua origem se deve a um concurso organizado pelas multinacionais, que patrocinaram a transmissão pela TV dessa edição da Copa do Mundo, realizada no México. O prêmio era o valor de 10 mil cruzeiros. Após ganhar o concurso, Pra Frente Brasil foi gravada pelo grupo Coral do Joab no Estúdio Bairro Peixoto, em Copacabana, zona sul do Rio de Janeiro.

O mundial de 1970 foi primeiro em que as partidas foram transmitidas em cores para o mundo. No Brasil, foi a primeira Copa a ser exibida na televisão. Porém, o público brasileiro só pode conferir mesmo as imagens do torneio em preto e branco, uma vez que a televisão em cores só chegou ao Brasil em 1972. Pra Frente Brasil foi utilizada pelas emissoras como chamada da Copa do Mundo. Isso explica o sucesso da canção na época. Com a conquista do tri, Pra Frente Brasil se tornou o maior êxito musical do país em 1970.

A canção ganhou algumas regravações. Por aqui, vou mencionar três delas, sendo que uma eu falarei mais adiante. Pra Frente Brasil ganhou uma versão disco music estilo revival, executada pelo grupo mineiro Jota Quest para uma compilação lançada pela revista Placar em 1998. Em 2003, teve a sua versão marchinha resgatada, ao ser regravada pelo cantor Zeca Pagodinho para a trilha sonora do filme A Taça do Mundo é Nossa, protagonizado pelo grupo humorístico Casseta & Planeta. A película debocha da ditadura militar brasileira, que usou e abusou da imagem dos tricampeões na época da conquista.

Um Verão Italiano

Realizada na Itália, em 1990, a 14ª edição da Copa do Mundo é sempre lembrada por obter a pior média de gols da história do torneio – cerca de 2.21 por jogo. Mas para quem foi criança na época (entre 7 e 10 anos), essa edição revelou o que é a maior festa do futebol mundial e eu sou um desses privilegiados. Fora que, na época, a Itália era o país mais focado no futebol mundial, pois os seus clubes contavam com os jogadores de maior referência de cada seleção participante.

A canção-tema do torneio é a inesquecível Un’estate Italiana, interpretada no idioma do país-sede pelos músicos Edoardo Bennato e Gianna Nannini. A última é irmã do ex-piloto Alessandro Nannini que, na época, era companheiro do brasileiro Nelson Piquet na equipe Benetton, da Fórmula 1. A letra da canção foi composta pelo maestro americano Tom Whitlock e a criação da parte rítmica coube ao italiano Giorgio Moroder.

Un’estate Italiana ganhou versões em outros idiomas. Sua versão em inglês foi rebatizada de To Be Number One, gravada pelo grupo Giorgio Moroder Project, cujos intérpretes foram Joe Milner, Moll Anderson e Paula Kane. A versão em espanhol ficou sendo chamada de Noches Magicas, cantada pela paraguaia Susan Ferrer. Outra versão existente da canção é em cantonês e ficou a cargo do cantor Hon conguês Alan Tam.

África Colombiana

É bem verdade que a Colômbia não se classificou para a 19ª edição da Copa do Mundo, sediada na África do Sul, em 2010. Porém, o país do café foi representado nesse mundial por seu grande ícone musical, Shakira. Um ensaio da cantora em parceria com a FIFA ocorreu na festa de encerramento do Mundial de 2006 na Alemanha, onde ela dividiu o palco com cantor haitiano Wyclef Jean.

A entidade máxima do futebol mundial convidou Shakira para compor e cantar a canção-tema da Copa de 2010. Ela criou com John Hill a faixa Waka Waka (This Time For Africa) e gravou a canção juntamente com o grupo sul-africano Freshlyground. A letra encoraja alguém a ir atrás de seus objetivos, como um soldado em um campo de batalha. A parte rítmica contou com a adaptação da faixa Zangalewa, gravada pelo grupo camaronês Golden Sounds em 1986.

No videoclipe, além dos intérpretes, crianças e adultos sul-africanos dão o ar da graça, e ainda são mostradas imagens de outros mundiais e de alguns jogadores que disputariam a Copa de 2010. Foi gravando esse videoclipe que Shakira conheceu o seu, então, futuro marido, o jogador espanhol Gerard Pique, que sairia campeão com sua seleção nesse mundial. Waka Waka, a canção-tema da Copa do Mundo daquele ano, obteve enorme sucesso mundial na época. Até o momento da publicação deste texto, o videoclipe já bateu a marca de mais de 3 bilhões de visualizações no YouTube.

Dançando Lambada

Nascida no norte brasileiro, mais precisamente no Pará, a lambada foi a trilha sonora do Brasil na transição dos anos 1980 para a década de 1990. Os grandes nomes do gênero foram a banda Kaoma e o cantor Beto Barbosa. Por incrível que pareça, a lambada ganhou o mundo através da Copa de 1990. Na estreia, com o jogo disputado por Brasil e Suécia, após marcar o primeiro gol brasileiro em uma vitória de 2×1, o atacante Careca foi para a bandeirinha de escanteio e encenou passos de lambada. A imprensa internacional ficou intrigada com a coreografia do camisa 9 brasileiro. Careca esclareceu para a mundo a dança que fez em campo.

O mundo viu a lambada de novo em gramados italianos, por meio de outro camisa 9. Foi com o camaronês Roger Milla ao marcar os dois gols de Camarões, na vitória de 2×1 sobre a Romênia, também na primeira fase. O auge de Roger Milla no torneio foi nas oitavas de final, ao marcar os dois gols camaroneses, na vitória de 2×1 sobre a Colômbia. Em ambos os gols, Milla também celebrou dançando lambada. Nesse mundial, Camarões se tornou o primeiro país africano a chegar entre os oito primeiros em uma Copa. Ainda em 1990, Milla tinha 38 anos e se tornou o jogador mais velho a fazer gol em copas. Ele aumentou essa estatística na Copa de 94, marcando um gol aos 42 anos.

A lambada ganhou espaço nos Estados Unidos ainda em 1990. Na primeira temporada da série Um Maluco do Pedaço, o mordomo britânico Geoffrey (Joseph Marcell) comemora o seu aniversário dançando lambada com a também inglesa Helen (Naomi Campbell) em uma boate. O gênero também chegou aos cinemas com o popular filme Lambada – A Dança Proibida (1990). Nele, a brasileira Nisa (Laura Harring) vai para os Estados Unidos denunciar uma multinacional que quer destruir a floresta amazônica. Ela acaba apresentando a lambada aos frequentadores de boates americanas.

Lágrimas no Coração

Assim como o Iron Maiden, o extinto grupo inglês Oasis é mais um que está bastante associado ao futebol. Segundo single de divulgação de seu quinto álbum, Heathen Chemistry, a faixa Stop Crying Your Heart Out se tornou o tema da derrota de 2×1 da Inglaterra para o Brasil, nas quartas de final da Copa do Mundo de 2002, ocorrida na Coréia do Sul/Japão. Tudo porque, tanto a BBC quanto a ITV (emissoras inglesas), executaram a canção no encerramento da transmissão da partida, que ocorreu em território japonês, no Estádio Ecopa, em Shizuoka, no dia 21 de junho.

Heathen Chemistry chegou ao mercado em 1º de julho, um dia depois do Brasil vencer a Copa. Por conta do ocorrido nesse mundial, o Oasis não veio ao nosso país na turnê promocional desse álbum. Eles voltariam para cá em 2006 e 2009, mas sem executar Stop Crying Your Heart Out para o público brasileiro. A imagem da banda está associada ao Manchester City, time de coração dos irmãos Noel (guitarra e voz) e Liam Gallagher (voz). Por conta disso, o Oasis já se apresentou nos dois estádios do Sky Blues, o hoje extinto Maine Road, em 1996 e o atual, Casa Etihad, em 2005. No último, os irmãos Gallagher, separadamente (por estarem brigados), já foram vistos assistindo aos jogos do clube do coração. No século 21, principalmente na década de 2010, os Citizens se tornaram colecionadores de títulos no futebol inglês.

A paixão dos irmãos Gallagher pelo Manchester City foi compartilhada com o baixista Paul McGuigan e pelo primeiro baterista da banda, Tony McCaroll. Fundador do Oasis, o guitarrista Paul Arthurs é o único do grupo a torcer para o Manchester United. Melhor baterista que já tocou no grupo, Alan White torce para o modesto Charlton Athletic. O Oasis já deu mostras de sua paixão por futebol nos videoclipes de Where Did It All Go Wrong?, Morning Glory e Shakemaker.

Copa de Maradona

Os maiores rivais do Brasil também possuem ligação com a música e a associação desta arte com a Copa do Mundo. A cantora argentina, Valeria Lynch foi fazer shows no México em maio de 1986, há poucas semanas do início da Copa do Mundo no país. Sabendo de sua presença, a seleção argentina a convidou para se apresentar na concentração da equipe, na capital mexicana, Cidade do México. Gravada oficialmente em 1984, a balada Me Das Cada Dia Mas foi a canção que mais agradou aos jogadores da alviceleste, se tornando a trilha sonora do seu bicampeonato mundial.

Na primeira fase, a Argentina venceu a Coréia do Sul (3×1) e a Bulgária (2×0), além de empatar com a então campeã, Itália (1×1). Nas oitavas de final, vitória de 1×0 sobre o vizinho e rival, Uruguai. Nas quartas de final, Diego Maradona fez a partida mais lembrada da sua carreira, ao marcar os dois gols argentinos na vitória de 2×1 sobre a Inglaterra. O primeiro gol, ele fez com a mão e o outro driblando toda a defesa inglesa. O jogo ficou conhecido como a Batalha das Malvinas, pois, foi a primeira vez que os dois países se enfrentaram no futebol, após a Guerra das Malvinas em 1982. Na semifinal, Maradona marcou os dois gols de sua seleção, na vitória de 2×0 sobre a Bélgica. Na final, Maradona não marcou, mas liderou a Argentina na vitória de 3×2 sobre a então chamada Alemanha Ocidental, quando o país se sagrou bicampeão mundial.

México 1986 até hoje é chamada de “Copa de Maradona”. Tanto que o filme oficial do torneio se denomina Hero (herói em inglês). Me Das Cada Dia Mas de Valeria Lynch fez parte da trilha sonora. Maradona foi padrinho de batismo de Santiago, filho mais novo da cantora. Nos créditos Hero finais de, há uma outra canção que define o atleta, Special Kind of Hero, cantada pela inglesa Stephanie Lawrence. A faixa foi composta por Rick Wakeman (ex-tecladista do grupo Yes), que também foi responsável pela trilha sonora do filme.

Os Três Tenores

Quem também chamou a atenção do mundo na Copa da Itália, em 1990, foram Os Três Tenores, considerado o pai do crossover na música. O evento de encerramento desse mundial ocorreu um dia antes da decisão e reuniu os três maiores representantes da música erudita: o anfitrião Luciano Pavarotti e os espanhóis Placido Domingo e José Carreras. O concerto se tratou de um evento beneficente, uma vez que a renda foi destinada a uma instituição de combate à leucemia, criada por José Carreras, que enfrentou e venceu a doença.

O sucesso d’Os Três Tenores foi tanto, que o trio repetiu a dose nos mundiais de 1994, 1998 e 2002. O crossover ultrapassou as linhas da Copa do Mundo, com a realização de uma turnê mundial com direito a passagem pelo Brasil. Essa turnê rendeu um disco ao vivo, intitulado The Three Tenors in Concert (1994), que entrou para o livro dos recordes por ser o disco erudito mais vendido da história. Mas antes d’Os Três Tenores, Placido Domingo já era uma figura carimbada na Copa do Mundo. Ele já havia gravado El Mundial, canção-tema da 12º edição do torneio, ocorrida na terra natal do músico, Espanha, em 1982. Placido também viu de perto o seu país ganhar uma única Copa do Mundo, em 2010.

Em 1992, ele e José Carreras regravaram com a compatriota, Montserrat Caballé, a canção Barcelona, tema da Olimpíada de Verão, que ocorreu na cidade catalã. A versão original foi gravada por Caballé em parceria com Freddie Mercury. Os Três Tenores ganharam imitações em várias partes do mundo. No Brasil, tivemos uma paródia chamada Os Três Malandros in Concert, que reuniu Bezerra da Silva, Dicró e Moreira da Silva, três representantes do nosso samba raiz. Fora da música, Os Três Tenores inspiraram o cinema hollywoodiano com a saga Os Mercenários, na década de 2010.

Sepultetra

O Sepultura viu de perto o Brasil se tornar o primeiro país tetracampeão mundial de futebol em 1994. O grupo de thrash metal mineiro estava atrás do gol, onde Roberto Baggio chutou para fora o último pênalti. Promovendo, na época, o seu quinto disco, Chaos A.D. (1993), o quarteto estava em uma turnê bem-sucedida pelos Estados Unidos (sede do mundial), junto dos grupos americanos Pantera e Biohazard. Depois da final (17 de julho), a banda foi se apresentar em Laguna Hills e o quarteto usou camisas da seleção brasileira, além de pinturas verde e amarelo no rosto. Essa apresentação ficou conhecida na época como “o show do tetra”, sendo um dos momentos marcantes na história do SEPA.

Agora, vamos aos clubes do coração dos integrantes. Começando pelos irmãos fundadores, Max (voz e guitarra-base) e Igor Cavalera (bateria), que por serem descendentes de italianos, são torcedores do Palmeiras. Igor foi o baterista na versão 2004 do hino do clube, interpretado por Wilson Simoninha e pelo titã Branco Mello, presente na segunda compilação lançada pela revista Placar. O guitarrista-solo, Andreas Kisser, é torcedor do São Paulo e viu, no Morumbi, o clube faturar a sua primeira Copa Libertadores, em 1992. No palco, o musico já demonstrou paixão pelo clube de coração inúmeras vezes. Andreas também possui amizade com dois ídolos são-paulinos, os ex-goleiros Zetti e Rogério Ceni, roqueiros declarados.

O baixista Paulo Jr. é torcedor do Atlético-MG e assim como o ídolo, Steve Harris, colou o adesivo do time em seu contrabaixo. Na quarta edição do Rock in Rio, em 2011, ele deu uma camisa do Galo para o guitarrista Phil Campbell usar no show do grupo inglês Motörhead. Substituto de Max Cavalera na banda, o americano Derrick Green é torcedor do Palmeiras por incentivo de Igor, que o levou para um jogo do clube. Outro palmeirense ilustre é João Gordo (vocalista do Ratos de Porão), que regravou o hino do verdão em 1996, para a primeira compilação da revista Placar. Sucessor do mencionado Igor na função de baterista, Jean Dolabella também é torcedor do Atlético-MG.

Três Leões

É a canção que simboliza a paixão dos ingleses pelo esporte que criaram. Em 1996, a Inglaterra recebeu a 10ª edição da Eurocopa, a primeira com 16 seleções. Para incentivar a seleção anfitriã, os comediantes ingleses David Baddiel e Frank Skinner criaram a canção Three Lions, em parceira com Ian Broudie, vocalista da banda de rock inglesa The Lightning Seeds, que ficou responsável pela parte rítmica da canção. O seu título é uma alusão aos três leões estampados no escudo da The F.A. (The Football Association), entidade que comanda o futebol inglês. O trio de compositores também interpretou Three Lions. O baterista do The Lightning Seeds, em 1996, era Chris Sharrock, que também tocou com Robbie Williams, Oasis, Beady Eye e atualmente toca com Noel Gallagher em seu projeto solo.

Three Lions fez um enorme sucesso durante a Euro 96, tanto que a torcida inglesa adotou para sempre o refrão “It’s coming home/It’s coming home/It’s coming/Football’s coming home” (“Está voltando para casa/Está voltando para casa/Está voltando/Futebol está voltando para casa”) como grito de guerra nas partidas do English Team. Na faixa, foram incluídas narrações do gol que o meia Platt fez na vitória de 1×0 contra a Bélgica, na Copa de 1990, além da defesa que o goleiro Banks fez da cabeçada do rei Pelé na Copa de 1970. No minuto 1:53 do vídeo acima, o senhor que pega o copo na mesa dos três cantores é Geoffrey Hurst, que marcou três gols na vitória inglesa de 4×2 sobre a então Alemanha Ocidental, na final da Copa do Mundo de 1966, que a Inglaterra sediou e ganhou pela primeira vez.

Na Euro 1996, a Inglaterra chegou até a semifinal, onde perdeu para a então futura campeã, Alemanha. Foi sua melhor colocação no torneio, até a ida para a final na edição de 2020, quando perdeu para a Itália. Em 1998, no embalo do regresso do English Team a uma Copa do Mundo (ficaram de fora do mundial de 1994), os mesmos compositores e intérpretes regravaram Three Lions, com algumas mudanças na letra, sendo chamada de Three Lions ‘98. Nessa versão, o baterista do The Lightning Seeds era Zakk Starkey, filho do ex-beatle Ringo Starr. Em seu currículo, ainda constam parcerias de Zakk com o ASAP (Adrian Smith and Project), Oasis e The Who.

Voa Canarinho, Voa

Eis um jogador que se aventurou na música, em prol da Copa do Mundo. Maior lateral esquerdo da história do Flamengo, Júnior se tornou titular da seleção brasileira nos anos 1980, sob o comando do técnico Telê Santana. Antes de embarcar com a seleção para a Copa do Mundo na Espanha, em 1982, o maestro assinou com gravadora RCA, gravando um compacto de samba chamado Voa Canarinho. Ele trouxe duas canções, Povo Feliz e Pagode da Seleção.

Júnior não imaginava que Povo Feliz (conhecido pelo refrão Voa Canarinho, Voa) se tornaria o hino da seleção de 1982, que expôs no mundial o seu futebol-arte. A canção fez o compacto vender 300 mil cópias em um mês de lançamento. Em seguida, chegou à vendagem de 700 mil cópias, conquistando disco de platina. Pagode da Seleção não obteve o mesmo êxito, mas a seleção executou a faixa em uma reportagem da Rede Globo, após um de seus jogos. Na Copa do Mundo de 1982, a seleção encantou a todos. Na primeira fase de grupos, o Brasil se concentrou em Sevilha e, lá, venceu a antiga União Soviética (2×1), Escócia (4×1) e Nova Zelândia (4×0).

Na segunda fase de grupos, liderados por Telê, foram para Barcelona, onde os jogos ocorreram no Estádio Sarrià. Lá, estreou vencendo a rival Argentina por 3×1, com Júnior fazendo o terceiro gol. Na segunda partida dessa fase, bastava o empate para a seleção ir para a semifinal. Mas a equipe foi surpreendida pela Itália, que venceu por 3×2, ambos os gols marcados por Paolo Rossi. A derrota foi tão traumática para o torcedor brasileiro, que foi chamada de “Tragédia do Sarrià”. Mesmo não vencendo a Copa, a seleção de Telê conquistou o troféu Fair Play, dado a equipe mais disciplinada do torneio.

Esquadrão Irlandês

Eis a canção de incentivo a Irlanda, em sua primeira Copa do Mundo na Itália, em 1990. Ela se chama Put ‘Em Under Pressure (Coloque-os Sob Pressão) e foi composta por Larry Müller Jr., Denis Woods e John Donnely. O primeiro citado foi o produtor da canção, além de ser conhecido mundialmente como baterista do U2, a segunda maior banda de rock irlandesa, depois do Thin Lizzy. O projeto foi chamado de The Irish Squad, pois os cantores foram os próprios jogadores da seleção irlandesa de futebol.

Aos 25 segundos, se escuta as palavras de Jack Charlton (ex-zagueiro inglês, campeão em 1966), que era treinador da seleção irlandesa na época. Elas foram retiradas de entrevistas que ele concedeu em rádios. A partir de 1:10 vem o típico grito de guerra das torcidas “Olé Olé Olé”, entoado pelos jogadores. Em 1:26, os mesmos cantam a letra da faixa. A guitarra da canção ficou a cargo de Anto Drennan. O mesmo Larry Müller Jr. foi o baterista de Put ‘Em Under Pressure. Os tubos Uilleann (instrumento de sopro tradicional na Irlanda) foram executados por Davy Spillane. A informação sobre quem se encarregou do contrabaixo da canção, eu vou ficar devendo para vocês.

A faixa deu sorte para a seleção treinada por Jack Charlton, já que a Irlanda chegou até as quartas de final, onde perderam de 1×0 para a anfitriã, Itália. Até hoje é a melhor campanha dos Green Army em mundiais. A Irlanda ainda disputou as copas de 1994 e 2002. No último, o treinador foi Mick McCarthy, capitão irlandês no mundial de 1990. Lembrando que não se trata da Irlanda do Norte. A primeira é chamada de República da Irlanda, um país independente e, na época dessa Copa, era chamada muitas vezes de Eire aqui no Brasil. Já a Irlanda do Norte pertence ao Reino Unido da Grã-Bretanha, junto da Inglaterra, Escócia e País de Gales.

Menudo na Copa

É bem verdade que Porto Rico ainda não ingressou na elite do futebol mundial. A única maneira de o país caribenho ter sido visto na Copa do Mundo foi por meio do astro pop Ricky Martin. Ele começou a carreira na adolescência, integrand a boyband porto-riquenha Menudo, fenômeno dos anos 1980. Já adulto, ele iniciou uma carreira solo muito bem-sucedida. No Brasil, Ricky alcançou êxito com a canção Maria, tema de abertura da novela Salsa e Merengue (1996), produzida e veiculada pela Globo.

No dia 4 de dezembro de 1997, ocorreu, no estádio Velodrome, em Marselha, na França, o sorteio dos grupos para a Copa do Mundo de 1998. O evento foi finalizado com uma surpresa da FIFA. Ricky Martin subiu no palco cantando a canção-tema desse mundial, La Copa De La Vida, composta por Robby Rosa, seu colega dos tempos de Menudo. Ricky Martin incluiu a canção em seu quarto disco solo, Vuelve (1998). O álbum também trouxe Gracias Por Pensar En Mí, versão de A Via-Láctea da Legião Urbana, lançada no disco Tempestade (1996), o último do grupo brasiliense.

La Copa De La Vida também teve uma versão em inglês chamada The Cup of Life. Assim como a canção, o videoclipe foi um dos maiores sucessos de 1998. La Copa De La Vida integrou Allez! Ola!Olé!, compilação lançada pela FIFA, do mencionado mundial de 1998. Ricky também divulgou a canção no Brasil em programas de auditório, mas sem a banda de apoio. O cantor se apresentou na abertura e na decisão da Copa daquele ano.

Planeta em Movimento

O grupo inglês de synthpop, New Order, criou uma canção de incentivo à seleção inglesa de futebol na Copa do Mundo da Itália, em 1990. Ela se chama World in Motion, que começa com a frase: “Well, some of the crowd are on the pitch” (“Bem, alguns torcedores invadem o campo”) dita duas vezes, sucedida pela sentença: “They think it’s all over” (Eles pensam que está tudo acabado”) e “Well, it’s now” (“Bem, agora acabou”). Elas foram gravadas pelo radialista Kenneth Wolstenholme, que as pronunciou nos minutos finais da narração do jogo na rádio BBC, momento em que a Inglaterra ganhou da então Alemanha Ocidental por 4×2 na Copa de 1966. Ele pronunciou as duas primeiras frases depois dos anfitriões ingleses marcarem o terceiro gol. Já a terceira frase, Kenneth falou após o quarto gol inglês.

Três jogadores da seleção inglesa de 1990 gravaram vocais de apoio na faixa – John Barnes, Peter Beardsley e Paul Gascoigne. No minuto 2:29 do vídeo acima, Barnes começa a cantar um rap, no qual os destaques ficam por conta das frases “But you must get to the line” (“Mas você não pode sair da linha”) e “We ain’t no hooligans(“Nós não somos hooligans”), que são uma visível preocupação da The F.A. com o hooliganismo, que já era notório na época. No videoclipe acima, a partida mostrada é um amistoso em que o English Team recebeu o Brasil (jogando de azul) no seu antigo Estádio de Wembley, em 28 de março de 1990. Nesse jogo, os ingleses venceram por 1×0, gol do artilheiro Lineker.

A canção deu sorte para a Inglaterra na Copa de 1990. Nas quartas de final, o a seleção inglesa venceu Camarões de virada por 3×2 e chegou a uma semifinal de um mundial, o que não acontecia desde a edição de 1966. Nela, após o empate de 1×1 no tempo normal, a Inglaterra perdeu nos pênaltis para a Alemanha Ocidental. Mesmo perdendo a disputa do 3º lugar para a anfitriã Itália, a seleção inglesa conquistou o troféu Fair Play, concedido à equipe menos faltosa, além de os atletas ingleses terem sido recebidos como heróis em seu retorno para casa.

Angra penta

Assim como o Sepultura com relação ao tetra, os integrantes do Angra viram de perto o Brasil conquistar o penta na Ásia em 2002. Promovendo o seu quarto disco, Rebirth (2001), o grupo estava fazendo uma turnê pelo Japão, país em que são muito idolatrados e que sediava a Copa junto da Coréia do Sul naquele ano. O quinteto aproveitou para ir a Saitama ver o Brasil vencer a Turquia de 1×0 na semifinal. Os membros, inclusive, deram uma entrevista ao vivo para o repórter Regis Rosing da Globo, do lado de fora do Estádio Saitama. Para a Copa do Mundo de 2002, os integrantes executaram no canal SporTV uma versão power metal de Pra Frente Brasil, canção-tema do tricampeonato mundial em 1970.

O Angra deu origem ao Shaman, que também ama futebol. Em 2004, eles formaram com a boyband brasileira, Br’oz, e os cantores Rappin Hood e Felipe Dylon, o time Aranhas Negras, que ganhou naquele ano o torneio MTV Rock & Gol, promovido pela extinta MTV Brasil. Cada integrante tem um clube do coração. Vamos começar pelo baterista Ricardo Confessori, que é torcedor do Palmeiras, também clube do guitarrista Hugo Mariutti. Diferente do último, seu irmão, o baixista Luis Mariutti, é torcedor do São Paulo.

O saudoso vocalista André Matos era corintiano. O próprio regravou o hino do Corinthians, interpretado em japonês, onde “Salve o Corinthians” virou “Banzai Corinthians”. Em parceria com a banda brasileira Eyes of Shiva, André gravou, em 2006, a canção Kamisama (deus em japonês), que é uma homenagem ao ex-jogador brasileiro Zico, que na época era técnico da seleção japonesa de futebol.

Scorpions

Como podem ver, a capa traz a banda de hard rock Scorpions. Nela, cada integrante segura um exemplar da +Teamgeist, a bola oficial da Copa do Mundo de 2006, que ocorreu na terra natal do grupo, Alemanha. Inclusive, o grupo se apresentou na fan fest do torneio. No idioma alemão, teamgeist significa “espírito de equipe”. O sinal de adição (ou soma) foi acrescentado, em prol do nome da bola. O Scorpions veio da cidade de Hanover, que recebeu partidas das duas copas ocorridas no seu país, em 1974 e em 2006.

Nos anos 1990, o grupo teve uma relação próxima com a seleção alemã de futebol, que ganhou quatro copas do mundo (1954, 1974, 1990 e 2014). Isso ficou comprovado quando os jogadores dos Adlers (águias em alemão, apelido da seleção alemã) participaram do videoclipe da canção No Pain No Gain, que serviu de incentivo para os então tricampeões mundiais, em sua primeira Copa do Mundo como nação unificada nos Estados Unidos, em 1994. A faixa foi gravada no 12ª disco do Scorpions, o Face The Heat (1993), primeiro com o baixista Ralph Rieckermann (substituto de Francis Buchholz) e o último com o baterista Herman Rarebell.

O videoclipe de No Pain No Gain ainda contém imagens do jogo de videogame oficial da Copa do Mundo de 1994 e imagens de várias partidas de futebol, da Bundesliga (campeonato alemão), da seleção alemã de futebol, incluindo o empate em 3×3 contra o Brasil no torneio US Cup nos Estados Unidos, em 1993. A faixa foi incluída em Gloryland, coletânea lançada pela FIFA para o mencionado mundial.

É uma Partida de Futebol!

O Skank é mais um grupo brasileiro que possui uma ligação forte com o futebol, tanto que foi o primeiro campeão do torneio MTV Rock & Gol, em 1995. Um de seus maiores sucessos é a faixa É uma Partida de Futebol, cuja letra é cortesia do titã Nando Reis para o quarteto mineiro. Ela abre O Samba Poconé (1996), terceiro disco da banda e é costume ser executada em matérias, novelas e filmes, onde há um ambiente futebolístico. Sem contar que o seu videoclipe foi gravado durante o clássico de Minas, Atlético-MG x Cruzeiro no Estádio do Mineirão, que terminou em 1×1 e era válido pelo Campeonato Mineiro, em 16 de março de 1997.

É uma Partida de Futebol também entrou na já mencionada compilação Allez! Ola!Olé!, da FIFA. O Skank está dividido pelos dois maiores rivais do futebol mineiro. Haroldo Ferretti (bateria) e Lelo Zanetti (baixo) são torcedores do Atlético-MG. Haroldo testemunhou, no Mineirão, o Galo conquistar a sua única Libertadores, em 2013. Os cruzeirenses da banda são Henrique Portugal (teclados) e Samuel Rosa (voz e guitarra). O último foi homenageado pela torcida do Cruzeiro com uma bandeira personalizada e ainda regravou o hino do clube em 2004.

Em 2010, o Skank fez uma versão brasileira para Wavin’ Flag, gravada originalmente pelo cantor somaliano K’naan para a propaganda da Coca-Cola, promovendo a Copa do Mundo na África do Sul. Ironicamente, o Skank é da capital mineira, que ficou marcada mundialmente pela goleada de 7×1 da Alemanha sobre o Brasil.

Mick Jagger pé-frio

O tema também possui o seu lado folclórico. Ele se chama Mick Jagger e ficou conhecido por ser vocalista do Rolling Stones, a segunda maior banda de rock do planeta. Porém, na Copa do Mundo, ele adquiriu a fama de dar azar para a sua Inglaterra. Porém, isso em nada fere a sua reputação dentro da música. A fama de pé-frio começou na Copa de 1998, na França. No dia 30 de junho, Mick foi avistado no Estádio Geoffroy Guichard, em Saint-Etienne, no jogo disputado entre Inglaterra e Argentina, válido pelas oitavas de final. A partida terminou em 2×2 e, na decisão nos pênaltis, a seleção inglesa perdeu para a alviceleste. No final da transmissão na Globo, o narrador Galvão Bueno disse: “agora a Inglaterra volta pra casa com Mick Jagger e tudo”.

Mick Jagger se ausentou no Mundial de 2002, mas deu o ar da graça na edição seguinte, na Alemanha, em 2006. No dia 1º de julho, ele compareceu à Arena AufSchalke, em Gelsenkirchen, onde assistiu a Inglaterra enfrentar Portugal pelas quartas de final. Após o empate em 0x0, os ingleses voltaram a perder nos pênaltis. O auge da sua fama de pé-frio veio na Copa do Mundo da África do Sul, em 2010. No dia 27 de junho, no estádio Free State, em Bloemfontein, Mick Jagger viu a seleção inglesa perder de goleada – 4×1 para a Alemanha, nas oitavas de final. No dia 2 de julho, no estádio Nelson Mandela, em Porto Elizabeth, ele e seu filho brasileiro, Lucas Jagger (fruto do relacionamento com a modelo e apresentadora Luciana Gimenez) presenciaram o Brasil perder de 2×1 para a Holanda, nas quartas de final.

Na Copa do Mundo sediada pelo Brasil, em 2014, por conta de sua fama de pé-frio, a imagem de Mick Jagger foi usada por torcedores brasileiros, que fizeram montagens do músico trajado com a camisa dos adversários da seleção anfitriã. Em jogo dessa copa, ele e seu filho, Lucas, marcaram presença no Estádio do Mineirão, em Belo Horizonte, no dia 8 de julho, onde viram de perto o Brasil sofrer a sua maior derrota em copas, 7×1 para a Alemanha, válido pela semifinal. Na Copa da Rússia, em 2018, Mick Jagger fez valer a sua fama no dia 11 de julho, no Estádio Luzhniki, na capital russa, Moscou. Nela, a Inglaterra foi vítima de zebra, ao perder de virada por 2×1 para a Croácia, válido pela semifinal.

Exército de Sete Nações

Definitivamente é a canção de rock mais tocada do século 21. Formado pela dupla Jack (voz e guitarra) e Meg White (bateria), o grupo de rock americano The White Stripes gravou Seven Nation Army para seu quarto disco, Elephant (2003). A turnê deste álbum trouxe o duo ao Brasil pela primeira vez, onde tocaram no Tim Festival, evento itinerante realizado no Rio de Janeiro e em São Paulo, em outubro de 2003.

Conforme vinham lançando um disco atrás do outro, Seven Nation Army continuava viva na cabeça do público. No fim dos anos 2000, nos jogos que abriram a temporada do futebol europeu, ela era executada sistematicamente nas cerimônias de abertura. Os torcedores faziam coro, usando como base o riff de guitarra da canção. No Brasil, torcedores adaptavam uma letra, baseada nesse riff, como foi o caso da torcida do Flamengo, que até hoje canta no Maracanã: “Isso aqui não é Vasco. Isso aqui é Flamengo”.

Na Copa do Mundo sediada na Rússia, em 2018, a FIFA adotou Seven Nation Army como a canção de entrada das seleções participantes. A dose foi repetida na Copa do Mundo Feminina, realizada na França, em 2019. Será que teremos Seven Nation Army na Copa do Mundo de Catar neste ano?

Windson Alves

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s