[Cinema] Drive My Car

Boa parte dos créditos só surgem na tela por volta dos 40 minutos de filme. O que veio antes, foi apenas um longo prólogo cujo propósito é desenvolver o relacionamento entre um casal. A ruptura na vida do protagonista, o ator e diretor Yusuke Kafuku (Hidetoshi Nishijima), se dá ao testemunhar uma cena de infidelidade. Por fim, a introdução é finalizada com uma tragédia.

Composto de belos quadros, com uma atmosfera bem urbana, e uma câmera na maior parte do tempo estática – que capta a beleza estonteante das paisagens ao redor, bem como a expressividade de seu poderoso elenco – o longa japonês Drive My Car, baseado em conto homônimo de Haruki Murakami, publicado em  2014, acompanha um dramaturgo tentando preencher lacunas de sua vida e em busca de um encerramento após dilacerantes perdas.

Convidado a encenar O Tio Vânia de Anton Tchekhov em um festival de teatro em Hiroshima, Yusuke atende – ainda que notoriamente contrariado – a uma das principais exigências da companhia de teatro que o contratou: permitir que a jovem motorista, Misaki Watari (Tôko Miura) o conduza do hotel em que está hospedado para os ensaios e vice-versa. Ele mostra um apego desmedido ao seu carro Saab vermelho – um modelo antigo, conservado e sofisticado – e reluta em deixar outra pessoa guiá-lo.

Apesar de uma hostilidade e desconfiança inicial com relação à motorista que a companhia de teatro designa para o ofício, aos poucos, ele cria uma conexão inesperada com ela, quase silenciosa, estabelecida por palavras necessárias e nunca por conversas triviais. Ela possui a mesma idade que a falecida filha de Yusuke teria se não houvesse morrido precocemente. Em comum, eles carregam segredos do passado e cicatrizes que ambos teimam em manter, visíveis ou não. Conforme a narrativa avança, essa relação entre eles torna possível o confronto com suas dolorosas memórias e faz com que se sintam mais confortáveis em se abrir diante do outro a respeito das marcas remanescentes de seus profundos traumas.

O roteiro da peça teatral O Tio Vânia, encenada por Yusuke (em uma versão audaciosa, composta de atores que falam diferentes idiomas e cuja tela instalada no palco traz os diálogos legendados para a plateia) norteia todo o enredo, costurando arcos. Mas o roteiro inacabado para o qual sua esposa, Oto (Reika Kirishima), tinha inspiração após relações íntimas com o marido, permeia sutilmente o drama, dando respostas a questões-chaves que martelam na cabeça do protagonista Yusuke.

Drive My Car é repleto de metáforas sobre o luto. Bastante intimista, apostando em uma estrutura linear e abrindo mão da verborragia em ordem de destacar as pausas e os silêncios tão significativos e valiosos à trama, o longa dirigido por Ryusuke Hamaguchi é uma obra singular, reflexiva, que incomoda e conforta na mesma medida, trazendo uma estranha sensação de inquietude e alívio ao espectador que se aventura a acompanhar a dor de Yusuke e de sua improvável sidekick, Misaki, ao longo de três horas de sessão.

O filme se encontra em cartaz nos cinemas em algumas praças brasileiras e concorre ao Oscar 2022 nas seguintes categorias: Melhor Direção, Melhor Filme Internacional, Melhor Roteiro Adaptado, além da principal, de Melhor Filme.

Andrizy Bento

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s