[Especial] Origem dos Nomes Artísticos – Parte 4

Quarta parte do especial que revela a origem dos nomes de bandas e artistas solo. Agora é a vez das letras M, N, O, P e Q. Você pode conferir a primeira, segunda e terceira parte do especial clicando aquiaqui e aqui.

Mamonas Assassinas: O primeiro nome do grupo foi Utopia, na época em que ainda faziam canções com letras sérias e até  chegaram a lançar um disco em 1992, que vendeu pouco. Na brincadeira, resolveram optar por letras debochadas e, em seguida, decidiram rebatizar a banda com um nome que se adequasse melhor à nova proposta, durante reunião com o produtor Rick Bonadio. Depois de várias sugestões, o baixista Samuel Reoli soltou “Mamonas Assassinas do Espaço”. O resto do grupo aprovou, mas removeu o “do Espaço” do nome.

Manhattans, The: Inspirado na famosa ilha de Nova York. Apesar do nome, o grupo vocal americano de Rhythm & Blues não veio da Big Apple, mas sim de Jersey City, do estado de Nova Jersey, que é coladinho com o estado de Nova York.

Marillion: Inspirado no livro Silmarillion de J.R.R. Tolkien. Foi modificado para Marillion para evitar problemas com direitos autorais.

Massacration: O grupo brasileiro de metal satírico foi criado a partir de uma esquete, em 2002, pela trupe de humoristas de Petrópolis, Hermes & Renato, na MTV. Antes, o nome era Massascrézio, em homenagem ao Crézio, fictício dono da fábrica de massas onde os integrantes da banda supostamente se conheceram. Depois, mudou para Massacrézio. Em seguida, Massacretion e, então, definitivamente Massacration. O que era para ser uma brincadeira na TV, se converteu em um projeto musical que passou a ser levado a sério em 2004, ano em que o grupo fez o seu primeiro show oficial.

Matanza: Nome de uma cidade localizada no noroeste da Espanha. Com a saída de seu primeiro vocalista, Jimmy London, em 2018, o grupo carioca passou a se chamar Matanza Inc.

Megadeth: Depois de sair do Metallica, o vocalista e guitarrista Dave Mustaine formou uma nova banda e a batizou com um nome inspirado no termo militar “megadeath”, que se refere à morte de um milhão de pessoas, portanto, exemplificando a Segunda Guerra Mundial.

Metalmorphose: Os cariocas fizeram um trocadilho com as palavras metal e metamorfose, como é possível perceber. E ainda trocaram o “f” pelo “ph” (que tem som de f na língua inglesa).

Metallica: O nome foi ideia do baterista Lars Ulrich, que ajudava um amigo a bolar um título para uma fanzine sobre metal. Como sua sugestão não foi aproveitada, Lars resolveu utilizá-la para batizar sua banda.

Motörhead: O vocalista e baixista Lemmy Kilmister tirou o nome de uma canção de seu antigo grupo, Hawkwind. É também uma gíria para quem está sempre tomando anfetamina. Em inglês, o nome significa cabeçote de motor.

Muddy Waters: O cantor e guitarrista americano de blues ganhou esse apelido em referência às águas lamacentas (tradução em inglês do nome artístico) do Mississippi, de onde ele veio. Seu nome verdadeiro era McKinley Morganfield.

Mutantes: Inspirado no livro de ficção científica O Império dos Mutantes de Stefan Wul.

Nasi: Ele costuma dizer nas entrevistas, quando perguntado a respeitdo do apelido, que era chamado de Nazi no colégio por seu estilo de se vestir, meio punk. Mas segundo o seu colega de Ira!, o guitarrista Edgard Scandurra, o apelido vem do nariz avantajado. Começou a escrever o seu apelido com “s”, Nasi ao invés de Nazi, para não haver qualquer associação com o nazismo. O nome verdadeiro do cantor é Marcos Valadão Ridolfi.

Natiruts: No começo, o grupo de reggae brasiliense atendia pelo nome Nativus, e lançaram o seu primeiro disco sob esta denominação em em 1998. No ano seguinte, perto de lançarem o seu segundo álbum, intitulado Povo Brasileiro, a banda foi alvo de um processo judicial por parte de um grupo gaúcho de música regional, que reivindicou o nome Nativus. Com isso, os candangos tiveram que encontrar um outro nome. No fim de 1999, eles decidiram se chamar Natiruts, que é um trocadilho com o antigo nome e a adaptação para a língua portuguesa da palavra inglesa roots (raízes).

New Order: A “Nova Ordem” era uma expressão muito utilizada por Adolf Hitler – relacionada à proposta que ele pretendia impor à humanidade, caso houvesse vencido a Segunda Guerra Mundial – e gerou polêmicas, à época. Na verdade, como o New Order era formado inicialmente por três membros do Joy Division, banda que chegou ao fim prematuramente devido ao suicídio do vocalista Ian Curtis, em maio de 1980, os integrantes remanescentes – Bernard Sumner, Peter Hook e Stephen Morris – decidiram prosseguir com o grupo, mas decidiram mudar o nome para New Order, transmitindo a ideia de mudança e renascimento. Porém, mais tarde, o empresário, apresentador e produtor Tony Wilson revelou, por meio do livro 24 Hour Party People, que o nome era uma referência ao Khmer Vermelho e foi sugerido pelo empresário da banda na época, Rob Gretton, após ter visto na TV um documentário sobre a revolução no Camboja. Também existem especulações quanto ao nome ter sido uma homenagem aos Stooges, banda seminal de punk rock que foi uma grande influência para o Joy Division. New Order foi o nome sugerido pelo guitarrista Ron Asheton ao seu novo grupo após o término dos Stooges.

Nirvana: Estado avançado do espírito na cultura hindu.

Novos Baianos: É uma resposta à mídia brasileira que, até os anos 1970, acreditava que música na Bahia se resumia a Gal Costa, Maria Bethania, Caetano Veloso e Gilberto Gil.

Oasis: Sugerido pelo guitarrista Paul Arthurs, o grupo, no começo, se chamava Rain, inspirado na canção The Rain dos Beatles. Porém, quando o vocalista Liam Gallagher entrou na banda, sugeriu a mudança de nome para Oasis. Ele tirou a denominação de um centro esportivo chamado Oasis Leisure Centre localizado em Swindon, na Inglaterra. O músico descobriu o local ao ver fotos tiradas por seu irmão mais velho, Noel Gallagher (então futuro guitarrista), quando este último trabalhava de roadie da banda Inspiral Carpets.

Offspring: Tiraram o nome do filme B The Offspring – They Were Born To Kill (Os Descendentes – Eles Nasceram Para Matar).

Ozzy Osbourne: Foi o apelido adotado pelo músico inglês, inspirado em seu sobrenome. Na juventude, ele queria entrar na música e, em busca de oportunidade, o próprio colocou na loja em que trabalhava um cartaz escrito “Ozzy Zig quer uma audição”. Reza a lenda que o apelido teria vindo de seus colegas de escola, como modo de provocação e zombaria devido à sua dislexia. O nome verdadeiro do cantor é John Michael Osbourne.

Paralamas do Sucesso: O nome foi ideia do baixista Bi Ribeiro. Quando a banda carioca estava começando, os integrantes fizeram uma competição interna para ver quem conseguia criar o pior nome possível. Um esclarecimento: apesar de Bi e Herbert Vianna terem começado a carreira musical em Brasília e de terem amizade com bandas locais (como Legião Urbana, Capital Inicial e Plebe Rude), eles fundaram Os Paralamas do Sucesso no Rio de Janeiro.

Pantera: Eles eram chamados de Pantego, nome de uma cidade do estado americano do Texas (de onde eles vieram). Isso foi antes de preferirem usar a palavra portuguesa Pantera.

Pato Fu: Segundo a vocalista, Fernanda Takai, ela estava lendo no jornal uma tirinha do personagem Garfield. Nela, o gato preguiçoso falava a frase “saia daqui antes que te aplique um gato fu”, (trocadilho com kung fu). Ela achou tão engraçado que guardou pra si, até que resolveu usar para batizar a sua banda. Mas, para não ter possíveis problemas com direitos autorais, trocou o gato para pato, originando assim o Pato Fu.

Pearl Jam: Vem de uma geleia (jam em inglês) feita pela avó (chamada Pearl) do vocalista Eddie Vedder.

Penélope: No começo, o grupo de rock baiano se chamava Penélope Charmosa, inspirado na personagem homônima do desenho animado Corrida Maluca. Para evitar problemas judiciais com a Hanna-Barbera, produtora do mencionado desenho animado, a banda resolveu encurtar o nome.

Planet Hemp: Eles tiraram o nome da revista americana High Times, especializada em cannabicultura, ou seja, cultivo de maconha. O nome inglês Hemp significa cânhamo, primeiro nome da mencionada planta. Nas canções, o grupo carioca sempre defendia a legalização da maconha e chegaram a ser presos por seu posicionamento.

Plebe Rude: O nome vem de uma frase que o senado da Roma Antiga usava quando o povo se rebelava: “Pelos deuses, seremos atacados pela plebe rude”.

P.I.L.: Sigla para Public Imagem Limited (Imagem Publica Limitada).

Pink Floyd: O nome vem de uma junção dos nomes de dois antigos músicos de blues, Pink Anderson e Floyd Council, que influenciaram o primeiro vocalista e guitarrista do grupo, Syd Barrett. Ele nomeou a banda com o título de um dos discos da dupla, o The Pink Floyd Sound, que depois foi abreviado para Pink Floyd.

Police: O baterista Stewart Copeland teve a brilhante ideia de usar um nome que estaria, todos os dias, em todos os jornais de todo o mundo. Ele perguntou que tal essa como jogada publicitária?”.

Pretenders: Segundo a vocalista Chrissie Hynde: “Eu estava saindo com um cara e, um dia, quando fomos a um bar, ele queria tocar uma música para mim, só que escondido dos amigos dele que estavam lá”. A música era The Great Pretender, de Sam Cooke. Aí ela pensou: “um dia eu ainda vou usar isso em alguma coisa”.

Procol Harum: Latim para “Além dessas coisas”.

Queen: Segundo o saudoso vocal Freddie Mercury: “Eu sempre tive a ideia fixa de chamar a banda de Queen. Este era um nome muito forte, muito universal e imediato; tinha uma visão de potência e estava aberto a vários tipos de interpretação. Eu estava ciente da possível conotação gay, mas essa era apenas uma das várias ‘caras’ para o nome”.

Windson Alves

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s