O Velho e o Mar

Última obra assinada por Ernest Hemingway, o breve O Velho e o Mar é considerado o canto do cisne do autor. Após um longo hiato de dez anos desde o lançamento do bem-sucedido Por Quem Os Sinos Dobram, de 1940, Hemingway retornava à literatura com o insucesso Na Outra Margem, Entre as Árvores, lançado em 1950. Diante das duras e negativas avaliações que o romance recebeu, o expoente da Geração Perdida passou a ser considerado pela crítica especializada um escritor combalido e em fim de carreira. No entanto, O Velho e o Mar veio para mostrar que os ditos especialistas estavam redondamente enganados – o que não foi a primeira e nem a última vez, convém dizer. Continuar lendo O Velho e o Mar