Nas Prateleiras: Lançamentos de Livros – Janeiro (2021)

Bem-vindos a 2021 e, assim como todo mundo, por aqui desejamos que o ano seja leve e infinitamente mais tranquilo do que aquele que o precedeu. E adentramos o novo ano com o nosso tradicional post de lançamentos literários. Janeiro é um bom mês para os fãs de George Orwell ou para aqueles que desejam conhecer os dois maiores clássicos do autor, que são relançados por aqui por duas editoras diferentes. A Via Leitura traz novas edições de 1984 e a Revolução dos Bichos, enquanto a Pandorga lança um box reunindo os dois títulos. Eleito pela Amazon o melhor romance de 2019, Clube do Livro dos Homens de Lyssa Kay Adams ganha publicação no Brasil pela Arqueiro. A mesma editora lança os segundos volumes das séries As Quatro Estações do Amor de Lisa Kleypas, intitulado Era Uma Vez no Outono; e Os Segredos De Charlotte Street de Scarlett Peckham, que leva o nome de O Conde Que Eu Arruinei. A Arqueiro ainda traz A Rosa Da Meia-Noite de Lucinda Riley. A Harlequin Books publica o primeiro livro da série Receba Esta Aliança, intitulado Para Conquistar um Libertino. E a Nova Fronteira traz o polêmico Feliz Ano Novo do ótimo Rubem Fonseca, cuja primeira publicação data de 1975 – ocasião em que teve sua circulação proibida nacionalmente e um ano depois foi recolhido pela Polícia Federal por ser considerada uma obra imoral que atentava aos bons costumes. Confira abaixo capas e sinopses dos principais lançamentos literários de janeiro.

A Revolução dos Bichos – Edição Especial
George Orwell
Via Leitura

Edição especial com brindes em todos os exemplares (dois postais e marcador de páginas). Texto integral incluindo prefácios “A liberdade de imprensa” e “Prefácio à edição ucraniana”. Nova tradução assinada por Alexandre Barbosa de Souza, ex-editor da Biblioteca Azul, Cosac Naify e Editora 34. Capa e artes dos brindes especialmente desenvolvidas pelo artista plástico Carlo Giovani. Publicado em 1945, A Revolução dos Bichos alçou o posto de um dos maiores clássicos da literatura moderna e projetou seu autor, George Orwell, como um dos mais influentes da história. Esta é uma fábula atual, que satiriza o totalitarismo, a tirania e a busca pelo poder. Às vésperas de sua morte, o velho porco Major reúne os animais de uma fazenda para compartilhar seu sonho de ver os bichos governando a si próprios, sem a opressão dos homens, em uma sociedade igualitária. Depois da morte de Major, a revolução é instaurada pelos porcos Snowball e Napoleon, mas a utopia não dura muito. Eleito pela revista Time como um dos cem melhores livros já publicados em língua inglesa, A Revolução dos Bichos é um alerta contra os perigos da corrupção humana até mesmo nos mais bem-intencionados projetos políticos. Após sua publicação, foi interpretado no Ocidente como uma crítica ao comunismo, fato negado pelo próprio Orwell, adepto do socialismo e avesso a manipulações políticas. Mais de sessenta anos depois de escrita, a obra mantém o vigor inabalável de uma alegoria sobre as fraquezas humanas que podem levar à derrocada das grandes revoluções políticas.

1984 – Edição padrão
George Orwell
Via Leitura

Edição especial com brindes em todos os exemplares (dois postais e marcador de páginas). Texto integral com apêndice “Os princípios da Novilíngua”. Nova tradução assinada por Alexandre Barbosa de Souza. Capa e artes dos brindes especialmente desenvolvidas pelo artista plástico Carlo Giovanni. 1984 é um dos mais importantes romances de ficção científica do século XX. Publicada originalmente em 1949, poucos meses antes da morte do autor, George Orwell, essa sátira política ambientada em uma distopia futurista influencia a literatura até hoje. Nesta obra magistral, acompanhamos o drama de Winston Smith, um funcionário do Ministério da Verdade, parte do governo do superestado da Oceania ― que inclui as Américas, a Austrália, a Inglaterra e o sul da África. O estado totalitário comandado pela figura mítica do Grande Irmão controla todos os aspectos da vida de seus cidadãos. No entanto, Smith odeia secretamente o Partido e deseja se rebelar contra o sistema. 1984 foi escolhido pela revista Time como um dos cem melhores romances de língua inglesa e garantiu seu lugar como um clássico da literatura moderna. A obra se afirma como uma valiosa reflexão sobre os malefícios do totalitarismo.

Box Obras De George Orwell – Conjunto de caixa
George Orwell
Pandorga

Considerado um dos maiores escritores do séc. XX, de forte relevância até os dias de hoje, o que pode ser comprovado pelo fato de nunca sair da lista de livros mais vendidos pelo mundo, George Orwell é autor das duas obras-primas que compõem esse box. A Revolução dos Bichos e 1984 foram escritos entre os últimos anos da Segunda Guerra Mundial e pouco após seu fim, e parecem ficar assustadoramente cada vez mais atual. Ao apontar os males do totalitarismo, Orwell foi tão preciso e eloquente que dessa discussão podemos extrair situações semelhantes aos dias de hoje.

Engarrafando o Vento
Márcio Grings
Chiado Editora

O capitólio de Márcio Grings reside em fórmulas desordenadas de narrativa. Contudo, há ordem nessa desordem. Em Engarrafando o Vento, regularmente temos prosa pulverizada de poesia, como também nos deparamos com o prosaísmo lírico que habita nele. Assim “o Boeing voa & a roleta gira” ― ácido ou bem-humorado, sardônico ou cético, eventualmente contraditório. Há constantes flertes com o misantropo que Márcio Grings sugere ser, alusões ao ser antissocial que ele eventualmente dissimula e o consequente retrato do homem que realmente é. Ao eclodir esse vórtice panorâmico, seu découpé explora imagens, fluxos de consciência, colagens, referências a obras literárias/cinematográficas, além de escritos sobre música que rogam por uma trilha sonora… E vice-versa. Engarrafando o Vento não passa de uma declaração de amor ao verso livre, tratado particular que destitui barreiras entre gêneros literários.

O Golem – Edição limitada
Gustav Meyrink
Carambaia

O Golem é uma criatura antropomórfica do folclore judaico, feita por mãos humanas a partir do barro. Segundo a lenda que atraiu o interesse de escritores românticos tardios no século XIX, esse personagem gigantesco foi criado em Praga por um rabino para defender a comunidade judaica de ataques antissemitas, mas teria se voltado contra o criador. A presença do Golem de Praga na trama criada por Meyrink é uma entre numerosas referências a tradições místicas e ocultistas, mas tem grande importância simbólica. É uma espécie de força irracional e destruidora que paira sobre as intrincadas vivências do personagem central, Athanasius Pernath, mestre joalheiro cujo passado é obscuro até para ele mesmo. Pernath vive no Bairro Judeu de Praga, onde se passa a maior parte da história. Um dos aspectos mais impressionantes do texto de Meyrink é a descrição desse ambiente lúgubre, de pouca luz natural, onde as construções angulosas parecem se amontoar, povoadas de figuras estranhas que habitam suas vielas, corredores, escadas e passagens ocultas. Entre essas figuras há personagens assombrosos: um sinistro vendedor de ferro-velho, uma esquálida prostituta adolescente, um surdo-mudo que recorta silhuetas em papel, um sábio versado no conhecimento religioso e sua filha encantadora, um marionetista e um jovem estudante com missão de vingança. Pernath se envolve em questões essenciais da vida desses personagens enquanto persegue uma busca da própria identidade por meio de indagações espirituais. Toda a narrativa é atravessada pelo tema do duplo, e os estudos do inconsciente, então em andamento por Sigmund Freud, encontram-se refletidos na fluidez narrativa de O Golem, em que realidade, sonho e alucinação convivem sem limites precisos. A edição da CARAMBAIA sai em versão digital e em edição numerada de 1.000 exemplares, com projeto do estúdio Bloco Gráfico, que faz referência tipográfica ao expressionismo e ao movimento Plakatstil de design de cartazes. Na capa, o desenho do título representa a criatura da lenda judaica em suas imensas proporções. O texto tem tradução do original em alemão por Petê Rissatti e posfácio de Luiz S. Krausz, escritor e professor de Literatura da Universidade de São Paulo.

Amor de Perdição
Camilo Castelo Branco
Faro Editorial

Esta é a obra integral do livro escrito no século XIX adaptada para o português moderno. Duas famílias rivais, um amor proibido e uma série de trágicos acontecimentos… Cento e sessenta anos atrás, Camilo Castelo Branco partiu de sua história pessoal e familiar para escrever um dos maiores clássicos da literatura portuguesa: Amor de Perdição. Considerada uma das principais obras do movimento ultrarromântico, marcado por idealizações do amor, paixões arrebatadoras e dores que afetam intensamente a alma, este romance, inspirado em Romeu e Julieta, atravessa décadas com a jovialidade de seus protagonistas: Simão, Teresa e Mariana. Simão, um jovem de 16 anos, comete um crime contra o pretendente de sua amada. É jogado na cadeia enquanto espera sua pena: prisão ou exílio nas Índias. Teresa é igualmente afetada, posta em clausura, e Mariana, a jovem humilde que alimenta secretamente uma paixão por Simão, vive todas as emoções de um amor platônico, devotado, com fios de esperança de um dia ser correspondida.

A Garota Anônima
Greer Hendricks, Sarah Pekkanen
Faro Editorial

Ela está mentindo para descobrir a verdade. Quando Jessica Farris se inscreve para um estudo conduzido por um grupo de psicologia, ela pensa que tudo o que precisa fazer é responder a algumas perguntas, receber seu dinheiro e ir embora. Mas à medida que as perguntas ficam mais invasivas, Jess começa a sentir como se soubessem o que ela está pensando… E, pior, o que está escondendo. Conforme a paranoia de Jess aumenta, fica claro que ela não pode mais confiar no que é real em sua vida e o que são experimentos manipulados pelo grupo de pesquisa. Agora, presa em uma teia de incertezas, Jess rapidamente aprende que algumas obsessões podem ser mortais.

A Náusea
Jean-Paul Sartre
Nova Fronteira

A Náusea é o primeiro romance de Jean-Paul Sartre, considerado pela crítica e pelo próprio autor o mais perfeito de sua sempre inquieta e inovadora carreira. O protagonista desta história é o intelectual pequeno-burguês Antoine Roquentin, símbolo de uma geração que descobre, horrorizada, a ausência de sentido da vida. Em um diário, o personagem passa, então, a catalogar impiedosamente todos os seus sentimentos, que culminam em uma sensação penetrante e avassaladora: a náusea. Publicado pela primeira vez em 1938, o livro foi um marco na ficção existencialista e é até hoje um dos textos mais famosos da literatura francesa do século XX. Esta edição conta com prefácio inédito de Caio Liudvik, pós-doutor em Filosofia e autor de Sartre e o pensamento mítico.

A Estrangeira
Claudia Durastanti
Todavia

“A história de uma família se parece mais com um mapa topográfico do que com um romance, e uma biografia é a soma de todas as eras geológicas que você atravessou”, anota a narradora deste livro singular e apaixonante. Como se conta uma vida senão explorando seus lugares simbólicos e geográficos, reconstruindo um mapa de si mesmo e do mundo vivido? Entre a Basilicata e o Brooklyn, de Roma a Londres, da infância ao futuro, este romance de Claudia Durastanti é uma aventura ― muito pessoal ― que combina novas e velhas migrações. Filha de pais surdos que se opõem à sensação de isolamento com uma relação tão apaixonada quanto raivosa, a protagonista vive uma infância febril, algo frágil, mas capaz, como uma planta teimosa, de deixar raízes em todos os lugares. Descendente de uma família de imigrantes que trocou a Itália pelos Estados Unidos, ela nasceu no Brooklyn. Mais tarde voltou com a mãe para a aldeia da família na Itália. Adulta, se muda para Londres. Em todos esses lugares, a mesma sensação: a de ser estrangeira. Mas a menina que se tornou adulta não para de traçar novos caminhos migratórios: para o estudo, para a emancipação, para o amor irremediável. A alteridade se torna parte de seu espírito. História de uma educação sentimental bastante contemporânea, A Estrangeira cativa pela fluidez de seu texto e de sua própria forma ― capaz de conter a geografia e o tempo. E demonstra que a história de uma família, suas vozes e seus percursos, é, antes de tudo, a narrativa de uma casa que pode estar em todos os lugares.

Meu Anjo da Guarda Tem Medo do Escuro
Charles Simic
Todavia

Esta antologia reúne pela primeira vez no Brasil uma amostra do melhor de Simic. Com seleção e tradução do poeta Ricardo Rizzo (que também assina o posfácio), o volume mostra a variedade de tópicos abordados pelo autor: da inescrutabilidade da vida cotidiana a observações de caráter metafísico; de contos populares a casamento, guerra e vida urbana. Poeta de hoje tocado pela eternidade, Simic produz versos emocionantes e inesperados, precisos como poucos.

Jean Santeuil
Marcel Proust
Nova Fronteira

Jean Santeuil é o primeiro romance de um dos maiores escritores do século XX: Marcel Proust. Escrito a partir de 1895, a obra inacabada só foi publicada em 1952, trinta anos após a morte de seu autor, graças à descoberta do manuscrito na França. A gênese do livro são as memórias da infância, da adolescência e dos anos de formação do protagonista. Com o estilo único e inconfundível de Proust, Jean Santeuil traz a origem de uma infinidade de anedotas, obsessões, reflexões, paisagens e visões de mundo que seriam desenvolvidas em seus trabalhos posteriores. É considerado precursor de sua obra-prima, Em busca do tempo perdido, tanto no tema quanto em seu enredo, embora seja mais claramente autobiográfico. Esta edição conta com a esmerada tradução do poeta Fernando Py, principal tradutor da obra do escritor francês no Brasil.

Clube do Livro dos Homens
Lyssa Kay Adams
Arqueiro

O que acontece no clube do livro fica no clube do livro. Eleito pela Amazon o melhor romance de 2019.

“Lyssa Kay Adams criou uma das comédias românticas mais inovadoras e criativas do ano.” – Entertainment Weekly

A primeira regra do clube do livro é: não fale sobre o clube do livro. Gavin Scott é um astro do beisebol, devotado ao esporte. No auge de sua carreira, ele descobre um segredo humilhante: a esposa, Thea, sempre fingiu ter prazer na cama. Magoado, Gavin para de falar com ela e acaba piorando o relacionamento, que já vinha se deteriorando. Quando Thea pede o divórcio, ele percebe que o orgulho e o medo podem fazê-lo perder tudo. Bem-vindos ao Clube do Livro dos Homens. Desesperado, Gavin encontra ajuda onde menos espera: um clube secreto de romances, composto por alguns dos seus colegas de time. Para salvar seu casamento, eles recorrem à leitura de uma sensual trama de época, Cortejando a condessa. Só que vai ser preciso muito mais do que palavras floreadas e gestos grandiosos para que Gavin recupere a confiança da esposa.

“Uma leitura deliciosa, com a mistura perfeita de gargalhadas e suspiros. Toda cidade deveria ter seu Clube do Livro dos Homens.” – Evie Dunmore, autora de Bringing Down the Duke

“Um romance divertido, sexy e sincero que fala tanto do amor de um casal quanto da verdadeira amizade.” – Kirkus Reviews

“Uma história linda, um retrato honesto e esperançoso do empenho para se manter um casamento.” – New York Times Book Review

Sem Deixar Rastros (Myron Bolitar – Livro 3)
Harlan Coben
Editora Arqueiro

Relançamento com nova identidade visual. Harlan Coben já vendeu mais de 70 milhões de livros no mundo. Em Sem Deixar Rastros, Myron Bolitar revive lembranças intensas e dolorosas de seus tempos de atleta. Myron Bolitar parecia destinado a uma carreira de sucesso na NBA quando uma lesão no joelho o afastou definitivamente das quadras. Agora, 10 anos depois, o agente esportivo, que também atua como detetive nas horas vagas, está de volta ao jogo – não para cumprir seu destino como astro do basquete, mas para desvendar mais um mistério. O ídolo Greg Downing, principal adversário de Myron na época da faculdade, desapareceu sem deixar rastros pouco antes das finais do campeonato nacional. Com a ajuda de seus fiéis escudeiros, o excêntrico Win e a ex-lutadora profissional Esperanza, Myron trabalhará infiltrado entre os jogadores para tentar descobrir o paradeiro do antigo rival. O que a princípio parece um típico desaparecimento vai ganhando contornos inesperados à medida que a investigação avança, reacendendo em Myron lembranças que ele nunca imaginou ter que reviver. Em meio ao glamour da NBA e a criminosos da pior espécie, ele vai descobrir coisas sobre si mesmo que mudarão sua vida para sempre.

A Segunda Vida de Missy
Beth Morrey
Intrínseca

Romance de estreia traz protagonista incomum em uma história divertida sobre segundas chances e as diferentes formas de amor. O mundo ao redor de Millicent Carmichael, também conhecida como Missy, de 79 anos, está diferente. Embora se apresse em dizer que considerava seu papel de dona de casa e mãe pouco satisfatório, a verdade é que Missy levou uma vida agitada cuidando de dois filhos e de um marido respeitado no mundo acadêmico. Agora que ele não está mais ao seu lado, que ela brigou com a filha e o filho se mudou para a Austrália, levando consigo seu amado neto, Missy passa os dias bebendo xerez, evitando as pessoas e vagando pela casa enorme e mal decorada esperando… o que exatamente? A última coisa que Missy imagina é que um grupo de estranhos e uma cadela espirituosa chamada Bob vão entrar na sua vida, quebrando sua casca e mostrando quanto amor ela ainda tem para dar. Em pouco tempo, rodeada por uma comunidade alegre e diversa que encarna as várias formas de amar, Missy encontra uma nova razão para viver. Um retrato emocionante e reflexivo sobre a vida adulta e o envelhecimento, A Segunda Vida de Missy é uma celebração de como os dias comuns podem ser extraordinários quando estamos cercados de pessoas queridas e do poder de perdoar a si mesmo, em qualquer idade.

Pão de Açúcar
Afonso Reis Cabral
HarperCollins

Porto, Portugal, 2006. Bombeiros resgatam do poço de um prédio abandonado do supermercado Pão de Açúcar o corpo de uma mulher trans brasileira espancada ao longo de vários dias por um grupo de adolescentes. Romance vertiginoso sobre um caso verídico que abalou Portugal, fascinante incursão nas vidas da vítima e dos seus agressores, Pão de Açúcar é uma combinação magistral de fatos e ficção, com personagens reais e imaginárias meticulosamente desenhadas, que vem confirmar o talento e a maturidade literária de Afonso Reis Cabral.

Blonde – Vol. 1
Joyce Carol Oates
HarperCollins

Livro finalista do National Book Award. Em um de seus livros mais inovadores, Joyce Carol Oates reimagina a vida pessoal, profissional e poética de Norma Jeane Baker ― a criança, a adolescente e a celebridade que o mundo viria a conhecer como Marilyn Monroe. Com uma narrativa intensa e conflituosa, a obra é um retrato poderoso sobre um mito hollywoodiano e sobre a realidade por trás de uma mulher extraordinária. No primeiro volume de Blonde, é apresentada a juventude ― pontuada por sua complicada relação com a mãe e pelo pai que nunca conheceu ―, o casamento e a sexualização precoces e os primeiros trabalhos de uma das figuras mais famosas e trágicas do mundo do cinema.

O Símbolo Perdido – Edição econômica
Dan Brown
Editora Arqueiro

Do mesmo autor do mega-seller O Código Da Vinci.

“Uma leitura fascinante. Dan Brown faz cair por terra tudo aquilo que pensávamos saber sobre o mundo.” – Newsweek

“O símbolo perdido é denso, exótico, cheio de códigos e pistas, imagens impressionantes e a dinâmica incessante que torna impossível deixá-lo de lado. Esplêndido. Outra história impressionante de Robert Langdon.” – The New York Times

Este livro faz parte da coleção Pop Chic da Editora Arqueiro. Robert Langdon, o célebre simbologista de Harvard, é convidado por seu amigo e mentor Peter Solomon – eminente maçom e filantropo – a dar uma palestra no Capitólio dos Estados Unidos. Ao chegar lá, descobre que caiu numa armadilha: não há palestra, Solomon está desaparecido e, ao que parece, correndo perigo. Mal’akh, o sequestrador, acredita que os fundadores de Washington, a maioria deles mestres maçons, esconderam na cidade um tesouro capaz de dar poderes sobre-humanos a quem o encontrasse. E está convencido de que Langdon é o único que pode localizá-lo. Vendo que essa é sua única chance de salvar Solomon, o simbologista percorre o Capitólio, a Biblioteca do Congresso, a Catedral Nacional e o Centro de Apoio dos Museus Smithsonian. Neste labirinto de códigos maçônicos e símbolos escondidos, Langdon conta com a ajuda de Katherine, irmã de Peter e renomada cientista. O tempo está contra eles. E muitas outras pessoas parecem envolvidas nesta trama que ameaça a segurança nacional, entre elas a diretora do Escritório de Segurança da CIA e o supervisor do Capitólio. Quando se trata de segredos e poder, nunca se pode dizer ao certo de que lado cada um está.

Era Uma Vez no Outono (As Quatro Estações do Amor – Livro 2)
Lisa Kleypas
Arqueiro

Segundo volume da série As Quatro Estações do Amor.

“Lisa Kleypas é uma rainha em meio a uma vasta corte de romancistas de época.” – Publishers Weekly

Os livros de Lisa Kleypas foram traduzidos para 28 idiomas e já venderam 500 mil exemplares pela Editora Arqueiro. Lisa ganhou prêmios RITA e muitas menções honrosas em publicações especializadas. Este livro faz parte da coleção Pop Chic da Editora Arqueiro. A jovem e obstinada Lillian Bowman sai dos Estados Unidos em busca de um marido da aristocracia londrina. Contudo nenhum homem parece capaz de fazê-la perder a cabeça. Exceto, talvez, Marcus Marsden, o arrogante lorde Westcliff, que ela despreza mais do que a qualquer outra pessoa. Marcus é o típico britânico reservado e controlado. Porém, algo na audaciosa Lillian faz com que ele saia de si. Os dois simplesmente não conseguem parar de brigar. Então, em uma tarde de outono, um encontro inesperado faz Lillian perceber que, sob a fachada de austeridade, há o homem apaixonado com que sempre sonhou. Mas será que um conde vai desafiar as convenções sociais a ponto de propor casamento a uma moça tão inapropriada? Neste segundo livro da série As Quatro Estações do Amor, Lisa Kleypas nos apresenta um homem de hábitos rigorosos, uma mulher disposta a quebrar tabus e uma deliciosa batalha entre razão e sentimentos na busca do amor verdadeiro.

O Conde Que Eu Arruinei – Os Segredos De Charlotte Street – Livro 2
Scarlett Peckham
Arqueiro

Segundo volume da série Segredos de Charlotte Street.

“Com sua habilidade de navegar entre as circunstâncias históricas mais divertidas e com seu olhar progressista sobre a sexualidade, Scarlett Peckham prova que é uma das autoras em ascensão mais empolgantes da atualidade.” – Entertainment Weekly

Depois que lady Constance Stonewell sem querer arruina o futuro de Julian Haywood, o conde de Apthorp, com sua coluna de fofocas, ela faz a única coisa que resta a uma dama honrada: se oferece para casar com ele. Ou, pelo menos, para encenar um noivado às pressas e, assim, salvar a reputação do coitado. Mesmo que isso signifique passar um mês inteiro na companhia do sujeito mais sem graça da Inglaterra, um homem que condena todos os prazeres que ela mais adora. O conde de Apthorp está prestes a se tornar o homem que sempre desejou quando vê seu nome ser arrastado na lama. E assim que lady Constance, a mulher por quem ele é secretamente apaixonado, confessa que foi tudo culpa dela, não é só a vida dele que se parte em mil pedaços, mas também seu coração. Agora os dois têm um mês para limpar o nome dele e convencer a sociedade de que estão perdidamente apaixonados. Ao longo desse tempo, Constance percebe que, por trás da fachada tediosa, seu falso pretendido é muito mais interessante do que ela poderia imaginar. Só que conseguir o perdão dele e convencê-lo a levar o teatrinho para a vida real vai ser o plano mais difícil de todos os que Constance já criou. E o mais delicioso também.

A Rosa Da Meia-Noite
Lucinda Riley
Arqueiro

Da consagrada autora da série As Sete Irmãs.

“Lucinda Riley é uma das autoras mais poderosas da ficção histórica.” – Historical Novel Society

“Mais uma vez Lucinda cria uma história extraordinária, com personagens fascinantes. Atravessando quatro gerações e viajando dos grandiosos palácios indianos até a propriedade de um lorde britânico, esta é uma trama arrebatadora de amores perdidos e encontrados.” – Booklist

Vinda de uma família nobre mas empobrecida, Anahita nutre uma forte amizade com a obstinada princesa Indira, filha do marajá. Escolhida para ser sua acompanhante oficial, ela vai para a Inglaterra com a amiga logo antes do início da Primeira Guerra. Lá, conhece Donald Astbury – o relutante herdeiro de uma magnífica propriedade – e sua mãe manipuladora. Noventa anos depois, Rebecca Bradley é uma estrela de cinema americana reverenciada por todos. Quando seu turbulento relacionamento com o namorado famoso toma um rumo inesperado, ela fica aliviada por poder se refugiar da mídia em Dartmoor, uma remota região britânica, para gravar seu novo filme. Logo após o início do trabalho no decadente casarão de Astbury Hall, chega à locação Ari Malik, bisneto de Anahita, buscando investigar o passado de sua família. É então que ele e Rebecca começam a desvendar os segredos sombrios que há tempos assombram a dinastia de Astbury…

Para Conquistar um Libertino – (Receba Esta Aliança – Livro 1)
Suzanne Enoch
Harlequin Books

Uma governanta nunca deve ficar sozinha com um homem (sua reputação deve ser imaculada, sem qualquer traço de escândalo). Uma governanta nunca deve questionar as ordens de seu empregador (mesmo quando ele estiver claramente errado). Uma governanta nunca, jamais, deve se envolver com alguém de uma classe superior (mesmo que esse alguém lhe ofereça sussurros sedutores, propostas indecentes e beijos devastadores…). Se não fosse por um lamentável incidente em seu último emprego, Alexandra Gallant não seria obrigada a aceitar um cargo na casa de Lucien Balfour, famoso por sua reputação de libertino, pela beleza pecaminosa e pela completa falta de decência. Agora, com a responsabilidade de ajudar a prima do conde Balfour a entrar na alta sociedade, Alexandra sabe que precisa fazer um bom trabalho para eliminar os vestígios de escândalos passados. Conde nenhum vai desviá-la de seu objetivo, nem que para isso ela precise lhe ensinar todas as regras de decoro imagináveis.

Só os Profetas Enxergam o Óbvio: Frases Inesquecíveis de Nelson Rodrigues
Nelson Rodrigues
Nova Fronteira

Muito além de um mero recorte de frases inesquecíveis sobre os mais diversos temas, Só os Profetas Enxergam o Óbvio, apresentado pelo crítico André Seffrin, é um prato cheio para quem quer entrar no universo rodriguiano e conhecer ou rever suas opiniões firmes, por vezes polêmicas, mas incrivelmente atuais. Ácidas, divertidas, espantosas, proféticas, impactantes, geniais: as frases de Nelson Rodrigues fazem dele, como escreveu Carlos Heitor Cony, “de longe o maior fabricante de bordões da nossa literatura”.

Feliz Ano Novo
Rubem Fonseca
Nova Fronteira

Feliz Ano Novo, lançado em 1975, teve sua publicação e circulação proibidas em todo o território nacional um ano mais tarde, sendo recolhido pelo Departamento de Polícia Federal, sob a alegação de conter ‘matéria contrária à moral e aos bons costumes’. O regime autoritário, que tentava à força encobrir os problemas que compunham a face obscura do país, não suportou a linguagem dessa coleção de contos que podem traduzir ficcionalmente a verdadeira fratura exposta do corpo social.

A Volta do Parafuso
Henry James
Editora Lafonte

Uma casa antiga, longe de tudo. Duas crianças enigmáticas. E uma inocente governanta assombrada pelos mortos. Impossível não sentir calafrios com a clássica história de terror de Henry James. O suspense pontua cada trecho da narrativa e cabe ao leitor decifrar se todos os estranhos acontecimentos são de fato reais ou criações da atormentada governanta.

A Consciência de Zeno
Italo Svevo
Nova Fronteira

Zeno Cosini é um empresário bem-sucedido, vaidoso, obsessivo e cheio de remorso. Quando procura ajuda para resolver suas neuroses, o psicanalista sugere, como forma de terapia, que ele escreva um diário, o que leva Zeno a mergulhar num ambíguo exer­cício de autoanálise. Com humor irônico e perspicaz, o narrador-personagem relata episódios sobre a morte de seu pai, sua carreira, seu casamento, seus casos amorosos e suas repetidas ― e inúteis ― tentativas de parar de fumar. Publicado pela primeira vez em 1923, A consciência de Zeno é a obra-prima de Italo Svevo e um dos romances mais importantes da literatura italiana do século XX. Utilizando a psicanálise como elemento fundamental da trama, este trabalho revolucionário apresenta com maes­tria as ansiedades, os medos e as questões mais pro­fundas de uma sociedade em transformação. Esta edição conta com a brilhante tradução do poeta Ivo Barroso, uma introdução do jornalista José Nêumanne e um posfácio do crítico literário Alfredo Bosi. A obra traz também uma apresentação do escritor António Lo­bo Antunes inédita no Brasil.

Arte Poética (Edição bilíngue e capa dura)
Horácio
Autêntica

Arte Poética é como ficou conhecido o pequeno tratado em verso que Horácio escreveu como carta aos irmãos Pisões. É o mais longo poema de Horácio, com quase quinhentos versos. A partir das discussões sobre o teatro em geral, entremeando discussões sobre problemas de metros, personagens e temas com passagens de ironia e poeticidade, o poeta fez uma espécie divertida de tratado que por séculos vem sendo considerado um poema fundador para outras poéticas do Ocidente, com um número incontável de estudos e traduções. A tradução de Guilherme Gontijo Flores recria parte do metro antigo em seu caráter vocal; no entanto, também mostra os vários momentos de riso e mesmo de sátira que marcam a escrita de Horácio e fazem um contraste radical com as leituras tradicionais que viam no poema uma expressão puramente séria e quase acadêmica. O desafio desta tradução é fazer da Arte Poética um poema conversacional, por vezes engraçado, sem com isso perder o complexo debate sobre a aventura literária.

Raffaele (A Tríade Livro 3)
Katherine Laccomt
3DEA Editora

Misterioso, perigoso, mafioso… é isso que as pessoas sussurram pelas costas de Raffaele Saints, o Capo di tutti capi da máfia italiana e chefe de um dos clãs mais importantes do mundo. As mulheres o desejam, os homens o odeiam ou o invejam. Não é fácil andar na linha tênue entre o bem e o mal, entre o legal e o ilícito, mas Raffaele comanda os dois mundos com mão de ferro. Sayuri é a prometida do oyabun da máfia japonesa que é impiedosa. Sua família foi destruída pelo mesmo clã ao qual ela está destinada. Mulher doce e inteligente que vem lutando bravamente para continuar viva. Mas ela tem um passado mal resolvido com o chefe Saints, o que pode colocá-la na linha da morte. Ele quer salvar a todos e ela quer salvar a si própria. Ambos se veem em meio ao caos e ao perigo iminente de morrer. Entre ameaças e perseguições, a paixão do passado volta à tona tirando a paz do chefe. A guerra está declarada e as peças estão na mesa. Como em um jogo de xadrez, rei e rainha se unem para derrotar o rei solitário, mesmo que isso destruam ambos. Esses são os herdeiros Saints e não sabemos como será sua história de amor.

A Trança
Laetitia Colombani
Intrínseca

Fenômeno de vendas internacional conta a história entrelaçada de três mulheres em continentes diferentes, mas com a mesma sede de liberdade. Smita é uma intocável, membro da casta mais inferior da Índia. Seu grande sonho é ver a filha escapar da condição miserável em que vivem e ter acesso à educação formal. Na Sicília, Giulia trabalha como ajudante na oficina do pai. Mas, quando ele sofre um acidente e ela precisa assumir o comando, logo percebe que o negócio está à beira da ruína. No Canadá, Sarah é uma advogada renomada. Quando está prestes a ser promovida a chefe no escritório em que trabalha, descobre estar gravemente doente. Sem saber que estão conectadas por suas questões mais íntimas, Smita, Giulia e Sarah recusam o destino que lhes está reservado e decidem lutar contra ele. Vibrantes, suas histórias remontam a uma imensa gama de emoções muito familiares e que, por isso, tecem uma trama que fala sobre dois aspectos essenciais de nossas vidas: esperança e solidariedade.

Mowgli: Edição Bolso de Luxo: Os Livros da Selva
Rudyard Kipling
Clássicos Zahar

Todos os contos de Mowgli em um mesmo volume. Mowgli, o filhote de homem criado por lobos, ocupa um espaço eterno no imaginário popular, encantando leitoras e leitores de todas as idades e lugares. A extraordinária prosa de Rudyard Kipling nos transporta para dentro das florestas da Índia, dá voz e pensamento aos animais e nos permite enxergar o mundo pelos olhos de Mowgli e dos personagens inesquecíveis que o acompanham. Enquanto cresce e amadurece, vivendo aventuras que falam de coragem, amizade e do respeito à lei da Selva, Mowgli enfrenta o dilema existencial que é o seu maior inimigo: qual o seu lugar no mundo, entre os animais que o criaram ou entre os homens? Esta edição reúne em texto integral os oito contos que apresentam a infância e a adolescência de Mowgli, como publicados nas edições originais de O Livro da Selva e de O Segundo Livro da Selva. Conta também com ilustrações originais e um apêndice com o primeiro texto sobre Mowgli escrito por Kipling, “Dentro da rukh”.

A Alpinista: Sexo e Corrupção na Alemanha Nazista
Marcio Pitliuk
Vestígio

Hannelore Schultz é dona de uma beleza e de um poder de sedução incomparáveis. De origem humilde e com grandes ambições, desde muito cedo lança mão desses atributos para, degrau por degrau, alcançar seus objetivos. Sua longa e perigosa escalada a leva do pequeno vilarejo alemão onde nasceu para a capital Berlim, onde se vê envolvida com altos oficiais do Terceiro Reich. A Segunda Guerra, Berlim e os campos de extermínio são alguns dos cenários desse romance sensual e cheio de reviravoltas. Marcio Pitliuk, um dos maiores especialistas do Brasil em Holocausto, constrói uma eletrizante narrativa histórica, que se passa em várias décadas e que fisga o leitor do início ao fim.

As 29 Poetas Hoje
Várias autoras; Heloisa Buarque de Hollanda (compiladora)
Companhia das Letras

Entre a poesia escrita e a falada, o humor e a revolta, o tom intimista e a voz performática, esta antologia reúne uma geração efervescente de jovens poetas brasileiras. Quarenta e cinco anos depois do lançamento de 26 Poetas Hoje ― antologia que marcou época e se tornou um documento incontornável dos anos 1970 ―, Heloisa Buarque de Hollanda se perguntou: quem está fazendo a poesia agora? Ao se dar conta da surpreendente presença das mulheres, cada uma com sua dicção e seu estilo, Heloisa reuniu vozes de uma geração pulsante e combativa, que impressiona pela força, pela coragem e pelo talento. As 29 Poetas Hoje é uma antologia que fala sobre identidade, sexo, amor, fúria, política e o Brasil de agora. Participam: Adelaide Ivánova; Maria Isabel Iorio; Ana Carolina Assis; Elizandra Souza; Renata Machado Tupinambá; Bruna Mitrano; Rita Isadora Pessoa; Ana Fainguelernt; Luz Ribeiro; Danielle Magalhães; Catarina Lins; Érica Zíngano; Jarid Arraes; Luna Vitrolira; Mel Duarte; Liv Lagerblad; Marília Floôr Kosby; Luiza Romão; Raissa Éris Grimm Cabral; Cecília Floresta; Natasha Felix; Nina Rizzi; Stephanie Borges; Regina Azevedo; Valeska Torres; Bell Puã; Yasmin Nigri; Dinha; Marcia Mura.

26 Poetas Hoje
Vários autores; Heloisa Buarque de Hollanda (compilador)
Companhia de Bolso

Reedição da mais importante antologia de poesia brasileira da década de 1970, que completa 45 anos. O ano é 1976. Em meio à censura e à repressão da ditadura, em uma época batizada por Zuenir Ventura de “vazio cultural”, a professora e escritora Heloisa Buarque de Hollanda publicou uma antologia que causou furor. 26 poetas hoje trazia a atmosfera coloquial e irreverente que conflagraria a década de 1970, também chamada de geração mimeógrafo ou geração marginal. Eram poetas que estavam à margem do circuito das grandes editoras e que produziam seus livros de maneira artesanal, em casa, em pequenas tiragens vendidas em centros culturais, bares e nas portas dos cinemas. Ao reunir poetas que engrossavam o caldo da contracultura, o livro foi uma resposta direta aos anos de chumbo e se tornou um clássico da poesia brasileira, referência incontornável para escritores e leitores de poesia. Participam: Francisco Alvim, Zuca Saldanha, Antonio Carlos de Brito (Cacaso), Roberto Piva, Torquato Neto, José Carlos Capinan, Roberto Schwarz, Zulmira Ribeiro Tavares, Afonso Henriques Neto, Vera Pedrosa, Antonio Carlos Secchin, Flávio Aguiar, Ana Cristina Cesar, Geraldo Eduardo Carneiro, João Carlos Pádua, Luiz Olavo Fontes, Eudoro Augusto, Waly Sailormoon, Ricardo G. Ramos, Leomar Fróes, Isabel Câmara, Chacal, Charles, Bernardo Vilhena, Leila Miccolis e Adauto de Souza Santos.

A Hora da Estrela de Clarice
Sérgio Antônio Silva
Autêntica

“Tudo no mundo começou com um sim” – assim Clarice Lispector começa A Hora da Estrela, e é com esse mesmo “sim” que Sérgio Antônio Silva nos entrega este livro, lançando-nos à aventura perigosamente feliz da escrita. O medo, a queda, o amor, a morte, tudo isso encontramos neste texto. Sérgio faz falar a obra de Clarice que mais nos diz do ato de criação, mostrando-nos a relação da escrita com o fracasso, o estar sempre a morrer. Sim. Dessa palavra começante, dessa palavra desapossada e desenraizada, nasce este livro e sua pobreza: um começo, um meio, um fim. Talvez seja essa a saída que resta – uma saída discreta pela porta dos fundos – para se falar de uma história que não cessa de principiar, que não cessa de acabar – Fernanda Mourão.

Andrizy Bento

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s