1917

Dirigido por Sam Mendes e contando com a fotografia irretocável do genial Roger Deakins, 1917 retrata a jornada percorrida por dois soldados britânicos, durante a Primeira Guerra Mundial, a fim de entregar uma mensagem capaz de parar um ataque brutal e salvar a vida de cerca de 1.600 homens. A missão delegada por seus superiores, como bem se vê, não é nada fácil e põe suas vidas em risco constante, afinal, para alcançar seu intento, William Schofield (George MacKay, ótimo) e Thomas Blake (Dean-Charles Chapman) precisam atravessar o território inimigo, ficando a mercê de toda a sorte de perigos que a guerra é capaz de proporcionar. Para Blake, no entanto, a missão torna-se algo pessoal. Isto porque um dos combatentes em risco é seu irmão.

Sejamos francos: 1917 só se destaca entre seus pares por ser tratar de uma experiência visual estarrecedora. Esse é o seu maior trunfo e seu principal diferencial. O longa é composto de alguns planos longos que, unificados em uma montagem quase invisível, trazem ao espectador a ilusão de um único plano-sequencia. É graças às transições suaves e quase imperceptíveis de cena, que este transmite a ideia de ter sido rodado em tomada única. E isso vale o filme. Por trazer uma premissa manjada como seu pilar de sustentação, podemos dizer seguramente que se apostasse em uma proposta narrativa mais tradicional e fosse filmado de maneira convencional, estaríamos diante de um roteiro de filme D. Aqui faz toda a diferença a forma como a história (saturada) é contada na tela. Um clichê bem contado é capaz de fazer toda a diferença.

Aproximando-se da vibe estética de um videogame (sinal dos tempos, que vem cada vez mais apostando no cruzamento entre as duas mídias e formas de linguagem), 1917 trata-se de uma experiência imersiva, profundamente sensorial – exatamente como vem sendo alardeado por aí – um espetáculo visual que utiliza a missão durante a Primeira Guerra como uma metáfora que alude à própria caminhada pessoal do ser humano. A direção de fotografia de Roger Deakens (órgão vital do longa) nos presenteia com sequências que são um verdadeiro deleite para os olhos, especialmente as primorosas tomadas noturnas. O desenho de produção a cargo de Dennis Gassner é feliz ao recriar o cenário da Primeira Guerra, garantindo um realismo notável ao ambiente tão desolador quanto aterrorizante das trincheiras inglesa e alemã.

O cineasta Sam Mendes conduz seu épico drama de guerra de maneira imponente, mantendo uma atmosfera constante e onipresente de tensão, além de investir em sequências secas e brutais de tiroteios e não ter nenhum pudor em mostrar corpos chacinados na tela. Mas também confere uma aura poética ao longa em alguns entrechos pontuais e mais intimistas que focam importância da família, na dor da perda e na simplicidade da natureza – o momento sobre o pomar de cerejeiras é um verdadeiro achado. Pode parecer cafona colocando dessa forma, mas essas cenas são de uma sensibilidade que fazem a produção ganhar mais pontos.

Óbvio que nem sempre as sequências utilizadas como pausa para respiro durante a arriscada jornada do protagonista funcionam. É o caso do momento em que Schofield encontra uma mulher e um bebê. Uma passagem dispensável, bem pouco memorável e que quebra totalmente o ritmo do longa. Por outro lado, a cena em que o personagem emerge de um lago cuja margem encontra-se repleta de corpos de soldados dilacerados, sintetizando sua dor em um pranto breve e lamurioso é tão bela quanto dolorosa. É interessante também o quão cíclico é o filme, apresentando um paralelo certeiro e inteligente entre seu primeiro e último frame.

Completam o combo, a edição de som irrepreensível e a trilha sonora solene de Thomas Newman – não exatamente impressionante, mas catártica na medida. Convém citar ainda a participação especial de nomes no elenco, tais quais os de Mark Strong, Richard Madden, além de Colin Firth e Benedict Cumberbatch. Por tudo isso, 1917 é um filme que vale a pena ser conferido no cinema, pois deve perder muito de sua força se não for visto na telona.

Visualmente fantástico, o grande demérito da produção assinada por Mendes é que trata-se de uma embalagem belíssima para um conteúdo raso. Uma pena realmente ter tão pouca espessura narrativa. Nesse quesito, é o mais do mesmo que a Academia tanto adora premiar, mantendo-se em sua zona de conforto e investindo na aposta segura de sempre. Vem bem a calhar em um ano que um longa da Coreia do Sul ameaça a hegemonia dos filmes falados em língua inglesa no Oscar. Deve dar 1917 mesmo.

Andrizy Bento

 

Uma consideração sobre “1917”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s