[Catálogo: Especial] Quero Ser John Malkovich

Dirigido por Spike Jonze (na época, já altamente conhecido por sua carreira como diretor de videoclipes), e roteirizado pelo genial – e então estreante na função – Charlie Kaufman, este é um caso raro de roteiro inteiramente original. É diferente de qualquer coisa que se tenha visto antes.

Craig Schwartz (John Cusack) é um manipulador de marionetes que, depois de ficar desempregado por alguns meses, consegue um emprego como arquivista em uma empresa. O fato incomum é que o escritório está localizado no sétimo andar e meio do edifício. Meio, pois o teto é muito baixo, o que obriga os funcionários a andarem sempre curvados. Como se não bastasse essa bizarrice, Schwartz encontra sem querer, atrás de um arquivo, uma espécie de portal que dá acesso à cabeça do ator John Malkovich. Dessa forma, ele resolve ganhar dinheiro extra alugando o portal para diversas pessoas que desejam ser John Malkovich; sendo tragados para a mente do ator e permanecendo lá durante quinze minutos, até serem arremessadas para fora, curiosamente para uma estrada na saída de New Jersey.

O roteiro excêntrico, no entanto, versa acerca de coisas simples, ainda que fundamentais e até mesmo perigosas. O protagonista utiliza seu talento com marionetes para adentrar a mente de Malkovich e manipulá-lo da mesma forma que fazia com seus bonecos. Assim, de maneira filosófica, metafórica e com foco em questões existenciais, temas como a perda de identidade e autonomia, o domínio sobre o outro, a essência humana, a insanidade que provém da total ausência de controle sobre si mesmo e seus desejos, a obsessão por status e celebridades e até mesmo algo mais profundo como a reencarnação, são tratados nessa brilhante película permeada por simbolismos e que transmite mensagens simples e universais abusando da criatividade do formato. A própria ideia do sétimo andar e meio sugere uma metáfora de um ambiente opressivo e insalubre de trabalho que desvaloriza, constrange e diminui constante e diariamente seus funcionários que, por sua vez, se prestam a esse degradante papel e se curvam – de maneira literal – ao seus superiores.

O resultado surreal é fruto de uma parceria certeira entre diretor e roteirista – aliás, uma relação equilibrada, pois o filme é de ambos, tanto de Jonze como de Kaufman. Não tem como dizer que um é mais autor do que o outro.

Todo o elenco está ótimo, apresentando um desempenho sem igual. Destaque para John Cusack e Cameron Diaz (com uma aparência totalmente desleixada). Há uma overdose de sequências antológicas, mas a melhor de todas é quando Malkovich usa o portal e adentra a própria mente. O final, belo e melancólico, é certamente capaz de tocar o espectador mais apático e desacreditado. Inteligente e sofisticado, apresentando uma tênue linha entre a comédia e o drama, é um filme que vale ser visto e revisto, pois a cada nova revisão, percebemos algo novo que havíamos deixado escapar nas sessões anteriores.

Andrizy Bento

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s