11.22.63

A minha formação acadêmica começou na história. Hoje, no entanto, enveredo pela museologia. Mas isso é papo para outro momento e apenas fiz essa introdução para revelar o quanto fatos históricos me fascinam. E lembrei-me de um antigo professor de história, lá do longínquo ensino médio, que afirmava que o principal assessor dos políticos deveria ser um historiador “pois os historiadores iriam mostrar o que não deu certo no passado para que o erro não se perpetuasse.” Mascarenhas era sábio. Na faculdade de História eu aprendi que fatos históricos marcantes dificilmente se repetem. Quando algo assim acontece, o efeito que provoca é tão forte, que leva todos a tal “CATARSE”.   Você não verá dois 11 de setembro; outra Olimpíada na qual a Vila Olímpica foi invadida por terroristas (Munique, 1972); outro presidente se suicidar nas mesmas circunstâncias de Getúlio Vargas, em 1954; ou um presidente ser assassinado no meio da rua como John F. Kennedy foi.

Continuar lendo 11.22.63